Saúde

Com alta na vacinação e queda em casos de covid, Sorriso anuncia fechamento de hospital de campanha

A prefeitura de Sorriso anunciou hoje que irá fechar o Hospital Municipal de Campanha a partir do dia 5 de dezembro. A unidade foi criada para receber pacientes da covid-19 e o encerramento se deve ao avanço da vacinação e também à queda no número de casos da doença.

“Todas as Unidades Básicas de Saúde e a UPA Sara Akemi Ichicava ofertarão atendimento para casos suspeitos de covid-19. O trabalho de coleta de exames também continuará sendo realizado normalmente”, explicou o secretário de Saúde, Luís Fábio Marchioro.

O hospital de campanha fecha as portas com 1.067 internações e cerca de 90 mil consultas médicas, além 573 dias de funcionamento e 54.125 coletas de exames realizados até hoje. “O que foi prestado pelo HMC ao longo desses dois anos foi um trabalho de referência no auge da pandemia. Agora, esse trabalho continuará, a população não ficará desassistida, só que o atendimento estará disponível ou na UPA ou nos PSFs”.

Luís Fábio ressaltou também que é preciso ficar claro que apesar da alta no número de vacinados e da queda no número de positivos a covid-19 não foi simplesmente embora. “O vírus não desapareceu, pelo contrário, ele tem muitas variantes e a população precisa estar atenta a qualquer sintoma. A partir de agora a covid-19 é uma doença com que teremos que aprender a conviver assim como a dengue, sarampo, H1N1, dentre tantas outras, por isso o atendimento de casos suspeitos estará na rotina de todas as unidades de saúde”, frisa.

Para o secretário, fechar o HMC é motivo de comemoração. “São praticamente dois anos de muita luta e vidas salvas e essa sim é a melhor notícia: muitas vidas foram salvas com dedicação, trabalho humanizado e empenho”, diz.

Aberto em 11 de maio de 2020, menos de dois meses após o município criar o Comitê de Enfrentamento e Prevenção à Covid-19, o HMC ofertou 16 leitos de com oxigênio líquido, nove respiradores Bipap, suporte ventilatório pulmonar, cinco ambulâncias equipadas para o transporte de pacientes positivos, serviços de raio-x e de fisioterapia pulmonar. De julho de 2020 até o dia 17 de outubro de 2021 o HMC funcionou 24 horas devido ao alto número de casos. E desde o dia 17 o atendimento passou para o prédio do PSF Central com atendimento das 7 às 19 horas de segunda a segunda.

Além do HMC, durante seis meses o município também ofertou seis leitos de UTI para tratamento da covid-19 na UPA. Para isso, foram aplicados mais de R$ 5,5 milhões, o que possibilitou salvar a vida de 68 sorrisenses que passaram pelo local. O município também investiu mais de R$ 1 milhão na oferta de oxigênio líquido que esteve disponível tanto no HMC quanto na UPA. 39.819 pacientes retiraram medicamentos para o combate à covid-19 nas cinco unidades das Farmácias Cidadãs em um investimento superior a R$1,3 milhões.

“Foi um esforço gigantesco com a união de muitas mãos na batalha contra a covid-19”, pontua o prefeito Ari Lafin. “Tudo o que fizemos foi buscar uma resposta à emergência ainda desconhecida que se colocava a nossa frente e, a cada vida salva, todo esforço foi recompensado e valeu a pena”, comemora o prefeito.

E além de continuar ofertando o atendimento nos PSFs e na UPA, o Centro de Exames para Covid-19 continuará funcionando até janeiro, de segunda a sexta-feira no atual espaço do HMC, em frente à Escola Ivete. Em janeiro, a intenção da prefeitura é que o prédio possa voltar a abrigar o PSF Central. “E que possamos todos viver a nova normalidade sem descuidar da nossa saúde”, finaliza Luís Fábio.

Redação Só Notícias (foto: assessoria)