quarta-feira, 28/fevereiro/2024
PUBLICIDADE

Justiça suspende decisão que barrava produção agrícola em 4,8 milhões de hectares em Mato Grosso

PUBLICIDADE
Redação Só Notícias (foto: assessoria)

A regulamentação ambiental que barrava parte da produção agrícola dos produtores do Vale do Araguaia e do Guaporé foi suspensa hoje pela Vara Especializada do Meio Ambiente. A suspensão valerá por 120 dias, até passar por uma nova análise. O impedimento da produção foi resultado de uma ação civil pública proposta pelo Ministério Público Estadual. A promotoria pedia que as áreas fossem classificadas como áreas úmidas e com isso, seriam aplicadas ali as mesmas regras ambientais do Pantanal.

A Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja-MT) informou que fez parte do processo, em atuação como amicus curiae, após defender a manutenção das atividades agrícolas na região. Segundo a entidade, tais municípios “compõem uma parcela importante da economia de Mato Grosso, com ênfase na produção de soja, milho, algodão e pecuária, bem como indicam os desafios e as oportunidades para o crescimento sustentável dessas áreas, respeitando as particularidades ambientais e sociais locais”, destaca trecho da decisão.

Durante essa parte do processo, houve grande mobilização de produtores, parlamentares e entidades agropecuárias em Mato Grosso para que a regulamentação ambiental fosse derrubada. Ontem, a secretária Mauren Lazzaretti informou, em reunião na Assembleia Legislativa, que o governo de Mato Grosso trabalhava para reverter a decisão.

“Um aspecto relevante a ser ressaltado é o interesse da ALMT em ampliar o diálogo sobre as áreas úmidas existentes no território do Estado de Mato Grosso, por meio de diferentes iniciativas, como a realização de audiências públicas e a alocação de recursos para a elaboração de estudos sobre o tema – execução do projeto de Mapeamento de Áreas Úmidas das Regiões do Vale do Araguaia e do Vale do Guaporé, – com o objetivo de subsidiar o processo legislativo, o que certamente contribuirá para a adequação normativa sobre a matéria, proporcionando, assim, segurança jurídico-ambiental para os que desenvolvem atividades produtivas, sem deixar de lado o uso sustentável que preserve o caráter ecológico desses ecossistemas, consoante preconizado pelas normas (nacionais e internacionais) de proteção ambiental”, lembra o juiz, Rodrigo Roberto Curvo, no texto.

Para a Aprosoja, a derrubada da liminar é importante para a produção agrícola em Mato Grosso. Afinal, no caso de aprovação da regulamentação ambiental, teria uma área afetada de quase 5 milhões de hectares impossibilitada de produção. No Vale do Guaporé, a área afetada seria de 600 mil hectares. Já no Vale Do Araguaia seria de 4,25 milhões de hectares, conforme o Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea). As duas regiões geram mais de quatro mil empregos, vindo da soja e pecuária em Mato Grosso.

“Dessa forma, a permanência dos efeitos da liminar, pelo menos por ora, tem potencial para comprometer a estabilidade social e econômica não só das regiões informadas nas manifestações acima referidas – Vales do Araguaia e do Guaporé –, mas de todo o Estado de Mato Grosso, o que deve ser ponderado neste momento processual a partir das novas manifestações colacionadas aos autos, assim como foi quando da prolação da decisão liminar com os elementos originais”, encerra Curvo.

Receba em seu WhatsApp informações publicadas em Só Notícias. Clique aqui. 

COMPARTILHE:

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Mais notícias
Relacionadas

Mato Grosso tem 34 milhões de cabeça de gado e segue líder nacional

O Instituto de Defesa Agropecuária do Estado (Indea-MT) divulgou,...

Mato Grosso tem recorde no esmagamento de soja

O esmagamento de soja em janeiro, no Estado, teve...

Cai preço da arroba do boi gordo em Mato Grosso

O preço da arroba do boi gordo reduziu 0,74%...

Preço do milho disponível em Mato Grosso tem nova queda

A coação do milho disponível no Estado fechou, na...
PUBLICIDADE