Saúde

Médicos orienta população para prevenir-se de doenças respiratórias

Nessa época do ano vários fatores como o aumento da poeira, fumaça resultantes de queimadas, a baixa umidade do ar, que chega à 30% menos que o normal, provocam um aumento de doenças respiratórias em Sinop. O clínico geral e otorrinolaringologista, Felipe Antonio Aguiar, relatou alguns cuidados que as pessoas devem ter para evitar esses principais problemas de saúde, que ocorrem nesta época.

Ele aconselha as pessoas beberem mais água. “Os adultos devem ingerir de dois à três litros de água por dia. Já as crianças tem que ser constante, mesmo que não tenham sede, devem beber água”, explica, “70% do corpo humano é formado por água, precisamos hidratá-lo”. Também ressalta que a água deve ser em temperatura ambiente.

Ele também alertou sobre cuidados com a limpeza da casa em que não é aconselhável espanar nem varrer a casa, mas sim limpar os móveis e o chão com panos úmidos. Também dá uma dica, “colocar dois copos de vinagre branco em um balde de água, e passar pano no ambiente, no mínimo duas vezes na semana. Porque o vinagre é ácido acético, e o ácido mata os ácaros que estão na poeira”. Os acáros vivem na poeira e causam muitas das alergias.

Nessa época também é comum o uso de ar condicionado e ventiladores nos dormitórios, devido o excesso de calor. O clinico orienta que as pessoas limpem pelo menos uma vez por semana o filtro do ar, e no período de seis meses todo o aparelho. Os mesmos cuidados devem ser tomados com os ventiladores. Colocar toalhas úmidas ou vasilhas com água nos dormitórios, também são aconselhadas por ele, para evitar o ressecamento da boca e da garganta.

Segundo ele, os atendimentos em postos de saúde e hospitais chegam a aumentar em 30% nessa época, e os principais problemas são de renite alérgica, faringite alérgica, asma, entre outras alergias. A renite alérgica é um tipo de alergia em que os principais sintomas são nariz trancado, espirros excessivos, coriza, coceiras no nariz ou nos olhos. “Alergia respiratória não tem cura, tem controle e tratamento, tanto clinico como ambiental. Quem tem alérgico na família sabe como é difícil”, relatou.

Felipe também ressalta que segundo dados da OMS (Organização Mundial da Saúde), cerca de 20 a 30% da população mundial tem alergias, o que corresponderia à cerca de 20 à 30 mil pessoas alérgicas em Sinop.