Polícia

Quatro homicídios elucidados em menos de um mês em Sinop

Nos últimos dias, quatro homicídios foram registrados em Sinop. Segundo o delegado Anderson Veiga, que está a frente dos casos, apenas um dos crimes o acusado ainda não foi localizado. “Tecnicamente isso é bom porque com a apresentação dos acusados a polícia consegue provas para apresentar ao juiz”, disse Anderson.

Ainda não foi localizado Claudenor Lima Souza acusado de matar o carpinteiro Francisco de Souza Oliveira, próximo a Gleba Mercedez (80 km), com um tiro na cabeça. O corpo de Francisco foi encontrado no último dia 22, após os dois terem saído três dias antes de Sorriso, onde residiam, para receber um dinheiro de Claudenor, através do qual pagaria uma dívida de R$ 3 mil, que devia à Francisco.

Emerson Garcia de Luca, acusado de ter matado João Raimundo de Souza, no dia 22, também na Gleba, se apresentou à polícia e confessou o crime, segundo o delegado, alegou ser em “legítima defesa”. “Ainda estamos colhendo todas as informações”, completou.

A mulher que matou Leandro Carlos Carvalho, de 24 anos, com uma facada, também prestou depoimento hoje pela manhã na delegacia. Alexandra Souza dos Santos, “confessou a autoria do crime, afirmando que foi por conta de uma contenda verbal, um desentendimento. O rapaz que morreu, tinha desentendimentos com o irmão dela, e que na hora da briga ela viu a faca e o esfaqueou, mas que não tinha intenção de matar”, relatou o delegado.

Outro assassinato desvendado pela polícia foi do jovem Marcos Romero Rocha, 23 anos, no bairro Boa Esperança. Hélio Fernandes Salomão foi preso em flagrante sendo co-autor do crime, por fornecer a arma à Ricardo Silva de Almeida, de 20 anos, que disparou os seis tiros que mataram Marcos e atingiram o abdomêm de um menor que estava com ele no momento.
Conforme o delegado, Ricardo se apresentou a polícia, e alegou que foi ameaçado pela vítima, por uma “briga de territorialidade”.

Segundo o delegado os inquéritos estão em andamento, e continuam as buscas para localizar o acusado Claudenor Lima Souza.