Saúde

Marcos Machado se despede da Saúde

A inauguração do Centro Estadual de Odontologia para Pacientes Especiais (Ceope), que aconteceu na manhã do dia 26 de junho, marcou a despedida do secretário interino de Saúde, Marcos Henrique Machado, com muita emoção,
agradecimentos e reconhecimentos e méritos de gestão. O governador Blairo Maggi disse “que o secretário Marcos Henrique Machado não é um homem de colher e sim de plantar”. Essa menção foi feita após o governador ressaltar que o secretário plantou a reestruturação organizacional da Saúde, deixando-a juridicamente e orçamentariamente funcional e que agora, quando poderia colher os frutos do que plantou, foi chamado para assumir uma nova missão de Governo, a de ajudar a recuperar a imagem de Mato Grosso que foi ofendida e atacada,
dizendo ainda que “Mato Grosso tem o direito de crescer e explorar seus recursos naturais,que Deus nos deu e de acordo com a Lei”.

O governador tranqüilizou os servidores da Secretaria de Estado de Saúde ao
anunciar o novo secretário de Estado de Saúde, Augustinho Moro, dizendo que
“ele foi escolhido a dedo e saberá, com toda a dedicação, dar continuidade aos
trabalhos já implantados por Marcos Machado”. Ele continuou dizendo que a
passagem de comando será harmoniosa como “quando, em uma corrida, uma equipe
passa o bastão para outra, sem que a velocidade seja diminuída. Augustinho
Moro saberá dar valor a cada membro da equipe administrativa da Saúde que
prestava auxilio a Marcos Machado, além do que saberá valorizar os servidores
públicos da Saúde, que são capacitados, treinados para as áreas afins”.

O secretário Marcos Machado se emocionou ao fazer um balanço de suas ações em
atenção aos portadores de necessidades especiais. “O Ceope”, disse o
secretário interino de Saúde, “é a concretização da política pública no
combate ao câncer bucal porque não só vai executar serviços de diagnóstico
como também vai proporcionar o tratamento dentário dos portadores de
necessidades especiais (físico e mental) , dos portadores de câncer, dos
soropositivos, dos lábios-palatais e, acima de tudo os que necessitarem de
cirurgias.”

O secretário lembrou que o Estado cumpre, na área de odontologia, o que prevê
o Estatuto dos Portadores de Necessidades Especiais, instituído pela Lei
Complementar número 114, de 25 de novembro de 2002 que, no seu artigo 2º prevê
que “os órgãos e entidades da administração pública estadual assegurarão, no
âmbito de suas atribuições, tratamento prioritário e adequado aos assuntos
relativos às pessoas portadores de necessidades visando assegurar-lhes o pleno
exercício de seus direitos individuais e sociais e a efetiva inclusão social”.

Ao todo foi investido, pelo Fundo Estadual de Saúde, R$ 1,8 milhão, em obras e
aquisição de equipamentos. O Ceope tem área construída de 700 metros
quadrados, com Centro Cirúrgico. Duas centrais de esterilização, nove
consultórios, recepção ampla, salas de Raios-X, duas salas de espera, um
almoxarifado e uma brinquedoteca,

Após a inauguração do Ceope, o governador Blairo Maggi e o secretário interino
de Saúde, inauguraram o Ciaps Adauto Botelho de Atenção a Portadores de
Doenças Neuropsiquiátricas, Lar Doce Lar e, também na manhã do dia 26, a ala
do Hospital Júlio Müller para doenças infecciosas e hepatites.

Ainda emocionado o secretário interino de Saúde, Marcos Henrique Machado,
disse que fica “contente que, no último dia de sua gestão na Saúde, pode
inaugurar uma obra de promoção da inclusão social. Essas pessoas que vivem
aqui são deixadas de suas famílias e, muitas vezes por ordem judicial, elas
têm que ser acolhidas pela sua condição de vida: são portadoras de deficiência
mental e, muitas vezes, mental e física, tendo que ficar sob a tutela do
Estado. Eu agradeço a Deus por essas pessoas, hoje, estarem sob a
administração da Saúde. Aqui elas encontrarão carinho, tratamento médico e
hospitalar, de acordo com suas necessidades.”

O promotor da Infância e Juventude de Cuiabá, José Antonio Borges, historiou
as condições em que o prédio onde agora funciona o Lar Doce Lar vivia
administrativamente antes de ser assumido pela Saúde. “Serviu para abrigar
menores infratores, depois foi destinado para acolher crianças portadoras de
necessidades especiais na área de saúde mental e, finalmente, foi ‘adotado’
pela Saúde. Até que isso acontecesse esses pacientes sofreram muito
preconceito e discriminação por parte dos condomínios ricos que moram em volta
do Lar”.

A juíza da Infância e da Juventude, Ana Abdala, seguindo a mesma linha de
raciocínio, explicou que a decisão do que fazer com essas crianças “é difícil
tanto para os pais, como para os poderes públicos e judiciais. O que vamos
fazer, com a inauguração desse Lar é restituir a essas pessoas o direito à
dignidade”.

Ao falar sobre o trabalho que desenvolve no Lar Doce Lar a coordenadora da
unidade, Ana Paula Borges, usou uma expressão que chamou a atenção do
governador Blairo Maggi. “Agradeço a Deus”, afirmou, “que fui designada para
trabalhar com essas pessoa. É o trabalho de minha vida”.

Ao que o governador Blairo Maggi completou: “Sua declaração só me faz repetir
o que tenho dito em tantas outras ocasiões: as pessoas são importantes nesse
processo de atender a esses pacientes especiais. Recursos e obras ficam
pequenos diante da dedicação que vocês, servidores que trabalham na área de
necessidades especiais, precisam ter para ajudá-los a recuperar um pouco da
dignidade perdida”.

O diretor geral do Centro Integrado de Atenção Psicossocial (Ciaps), Rodrigo
Sérgio Garcia Rodrigues, finalizou falando do avanço das políticas de atenção
aos portadores de necessidades especiais na área de doença mental. “É difícil
governos investirem em ações de atenção aos portadores de necessidades
especiais. Neste governo foi dada a devida atenção que essas pessoas merecem.
Destaco aqui as obras de inclusão social desse governo, realizadas no Adauto
Botelho, onde foi proporcionado as pessoas portadoras de deficiência mental
uma vida mais digna e humana quando foi construído a ala feminina, onde
pudemos os homens das mulheres com mais conforto, com quartos construídos
obedecendo às normas de saúde para eles, com camas, banheiros, pisos, tudo
dentro das normas da Saúde, implantação de terapias diferenciadas com espaços
ampliados e arejados para lazer, sala de televisão. Em atenção à criança foi
inaugurado, no mês passado, um Centro de Atendimento Psicossocial Infantil
(Capsi), bem como, recentemente foi inaugurada uma unidade de Saúde de Álcool
e Droga”, afirmou Rodrigo Sérgio que essa unidade servirá também como apoio de
atendimento aos servidores públicos que possuem dependência química.