Política

Sinop: prefeitura diz que buscará solução com a câmara para evitar fechamento da associação que cuida de animais

A prefeitura vai tentar buscar uma solução para evitar o fechamento da Associação Protetora dos Animais de Sinop (Apams). A assessoria, em resposta a questionamento feito por Só Notícias, informa que a prefeita Rosana Martinelli (PR) pretende se reunir com os vereadores para discutir o assunto.

A assessoria ainda informou que, desde 2009, a prefeitura celebra convênios anuais com a Apams, e que já repassou R$ 970 mil, desde então. Para 2018, serão destinados R$ 112 mil, sendo R$ 60 mil de recursos próprios e o restante de emendas impositivas da Câmara de Vereadores. “A prefeitura lembra ainda que para o ano de 2018 já tem previsto convênio com 20 instituições do município e repasses de R$ 3,3 milhões”, afirmou a assessoria.

Conforme Só Notícias já informou, o encerramento das atividades da Apams foi anunciado esta semana. A alegação é de falta de recursos para manter a entidade, que atua recolhendo animais abandonados no município. “Todo ano é uma novela com este negócio de verba. Em 2016, recebemos R$ 370 mil de ajuda da prefeitura. Este ano, caiu para R$ 110 mil. Se é para ficar todos os anos nesta lamúria, implorando recursos, é melhor fechar”, afirma a diretora Luciane Pranti Chiarello.

Segundo ela, foram feitas algumas reuniões com a prefeita Rosana Martinelli (PR), no intuito de aumentar o valor do convênio. No entanto, não houve avanços. “Estou decepcionada mesmo. Não consegui nada. Só ‘enrolação’. Acho que em 12 anos já deu para ver que a instituição é séria e faz um trabalho correto, extremamente ético. Quem sabe agora, a gente não consegue um posicionamento da prefeitura”.

Além dos recursos públicos, a entidade conta ainda com uma ajuda média de R$ 5 mil mensais em doações de empresas e pessoas físicas. O valor ajuda a fechar as contas, mas ainda é insuficiente e, para ela, falta engajamento da sociedade e classe política com a causa. Com um gasto mensal estimado em R$ 50 mil, o restante da conta é custeado pela diretora, com recursos próprios. “Eu acabo pagando do meu bolso”, reclama. 

A diretora explica que a entidade, no primeiro momento, deixará apenas de receber novos animais. Atualmente, mais de 200 ainda aguardam adoção e, por tal motivo, os funcionários continuarão trabalhando. Neste sábado, a instituição fará uma feira de adoção, no pátio de uma empresa localizada no cruzamento das avenidas das Sibipirunas e Tarumãs. “Vamos tentar a doação deste animais, mas a gente sabe que não iremos conseguir para todos. Por exemplo, temos 16 paraplégicos que as pessoas não querem. Animais idosos, não querem também. Não vou abandoná-los”.

A Apams funciona em um espaço alugado de 450 metros quadrados, localizado no Setor Industrial Sul. O tamanho é insuficiente para a demanda de animais resgatados. Segundo Chiarelli, quando funcionou com recursos necessários, a entidade chegou a retirar até 4 animais das ruas por dia no município. Apesar de ter recebido, em doação da prefeitura, um terreno de 5 mil metros quadrados, localizado no Jardim Safira, também falta dinheiro para construção da sede própria, afirma Luciane.

A equipe da Apams é composta por sete funcionários, sendo dois veterinários. O grupo, após recolher os animais, também faz a vacinação, castração e, só então, os encaminha para adoção. “Você pega o animal destruído. Trata ele e isso leva, às vezes, até um ano. Neste período tem um custo para nós. Vacinamos, castramos e encaminhamos para a doação. Este trabalho é tão completo que nenhuma outra instituição do Estado faz. Por isso temos tantos gastos”.

A Apams continuará recebendo doações. Uma das formas é em débito automático em conta corrente (para clientes do Banco do Brasil) ou desconto mensal na conta de água. Para autorizar os pagamentos, os interessados devem imprimir e preencher formulários disponibilizados pela instituição. Em seguida, os documentos deverão ser devolvidos à entidade, que faz os trâmites com a concessionária de água e o banco para iniciar os descontos. Os interessados podem doar qualquer valor.

Apesar de ter anunciado o encerramento das atividades, Luciane mantém a esperança de revogar a medida. “Por enquanto, não vamos mais fazer este trabalho, a não ser que o poder público se manifeste com algo certo, que me permita ‘dormir à noite’, pagar meus funcionários e impostos. Hoje, precisamos, além destes R$ 110 mil do convênio com a prefeitura, pelo menos, mais R$ 250 mil (por ano) para fechar as contas apertado”, finalizou.

A Apams foi fundada em agosto de 2005.