Política

Dirceu diz que não renuncia e ficará cara a cara com Jefferson hoje em depoimento

O ex-ministro da Casa Civil, deputado José Dirceu (PT-SP), negou nesta terça-feira, por meio de sua assessoria, o boato de que iria renunciar ao mandato de deputado durante depoimento ao Conselho de Ética da Câmara, marcado para logo mais às 14:00hs.

Cogitava-se a hipótese de Dirceu renunciar para evitar um possível processo de cassação por quebra de decoro. Ele foi acusado de envolvimento no suposto esquema de pagamento de mesadas a parlamentares da base em troca de apoio político.

No depoimento de hoje, o ex-ministro, que se manteve isolado nos últimos dias, deverá incluir na sua estratégia de defesa mais argumentos para se defender das recentes denúncias de que Roberto Marques, seu assessor, teria sido autorizado a fazer saque de R$ 50 mil em uma das contas das empresas do publicitário Marcos Valério Fernandes de Souza, apontado como operador do “mensalão”.

No último sábado, a revista “Veja” divulgou cópia de um documento apreendido pela PF em Belo Horizonte (MG) que complicou a situação de Dirceu: uma lista com a relação das pessoas autorizadas a retirar dinheiro da conta de Valério –entre elas, seu assessor Roberto Marques.

Marques negou a acusação e Dirceu divulgou uma nota, na qual diz que a acusação é uma armação para tentar desmoralizá-lo.

A sessão de hoje do Conselho de Ética poderá antecipar uma acareação com o “rival” de Dirceu Roberto Jefferson (PTB-RJ), autor da denúncia sobre a existência do pagamento de mesada a congressistas da base aliada. Ao denunciar o “mensalão”, o deputado fluminense afirmou que Dirceu seria um dos protagonistas do esquema.

Na semana passada, Jefferson disse que iria acompanhar o depoimento de Dirceu da primeira fila e poderá pedir a palavra por dez minutos, de acordo com o regimento da Casa. Conhecido pela sua personalidade forte, Dirceu não deverá deixar provocações sem respostas.