Economia Política

Definida companhia que fará expansão de ferrovia de Rondonópolis até Cuiabá, Nova Mutum e Lucas

A companhia ferroviária RUMO Logística apresentou, há pouco, proposta para construção da primeira ferrovia estadual de Rondonópolis (onde está a Ferronorte, no qual já tem a concessão), até Cuiabá e depois a Nova Mutum e Lucas do Rio Verde. A concessão para a operação será de 40 anos e devem ser investidos R$ 12 bilhões. A abertura dos envelopes ocorreu, esta manhã, na sede da secretaria de Estado de Infraestrutura e Logística.

A ferrovia estadual ligando o Sul ao Nortão, definida pelo governador Mauro Mendes, terá cerca de 700 km de trilhos com aproximadamente 60 pontes, ligará a Cuiabá (extensão aproximada de 200 km) e, posteriormente, a Nova Mutum (cerca de 200 km da capital) até Lucas do Rio Verde.

A conclusão do terminal em Cuiabá deverá ocorrer até o segundo semestre de 2025. Os trilhos devem ‘chegar’ a Nova Mutum, e Lucas até 2028. A empresa deverá apresentar um relatório característicos ao modal, estimativa do projeto com valor do mercado e capacidade financeira com até 10% da obra.

De acordo com a previsão do governo do Estado, a empresa (que já é detentora da concessão do ramal da Ferronorte de Rondonópolis até São Paulo) deve iniciar a obra em até seis meses após assinatura do contratado, fará todo o bloco interligando os municípios ao terminal em Rondonópolis, reduzindo o custo da produção agrícola, com transporte de soja, milho e demais produtos sendo feito por trens, gerando mais competitividade. O governo do Estado previu que a concessão da expansão da ferrovia deve gerar mais de 235 mil empregos.

Ontem no final da tarde, conforme Só Notícias já informou, Mauro Mendes assinou, com o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, acordo de cooperação técnica que dá segurança jurídica total para a construção da primeira ferrovia estadual de Mato Grosso.

A RUMO, vencedora da concessão de Rondonópolis a Lucas, administra, atualmente, uma malha ferroviária com cerca de 14 mil quilômetros e ligação direta com os portos de Santos, Paranaguá, São Francisco do Sul e Rio Grande, transportando soja, farelo, óleo vegetal, milho, trigo, fertilizantes que são provenientes das principais regiões agrícolas nacionais, principalmente Mato Grosso. É responsável por 26% do volume de grãos exportados pelo Brasil. E para viabilizar esse trabalho, contamos com uma infraestrutura de ponta, preparada para realizar tanto a importação quanto a exportação de insumos.

No setor de combustíveis de derivados claros, como o diesel e a gasolina, a RUMO transporta das principais refinarias do Sul  e de São Paulo com destino a Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, São Paulo, Paraná e Rio Grande do Sul.

O terminal de cargas em Rondonópolis, de onde os trilhos ‘seguirão’ até Cuiabá e depois ao Nortão, tem capacidade para receber 2 mil caminhões por dia, os armazéns recebem até 150 mil toneladas com movimentação média diária de 80 mil toneladas levadas pelos trens ao porto de Santos (SP).

Criada em 2008, a empresa concluiu em 2015 a fusão com a ALL e, há dois anos, venceu o leilão para obras da ferrovia Norte Sul.

Redação Só Notícias (foto: reprodução - atualizada 10:46h)