Polícia

Delegado da Polícia Civil confirma localização de corpo em Sinop

O delegado da Divisão Especializada de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP), Carlos Eduardo Muniz confirmou, há pouco, que foi encontrado o corpo de uma mulher, em um córrego da estrada Ruth, na região do bairro Jardim Terra Rica. Um familiar acompanhou as buscas e fez o reconhecimento do corpo no local, mas a polícia ainda não divulgou oficialmente a identidade. Há alguns indícios que o corpo seria da enfermeira Zuilda Correia Rodrigues, de 43 anos, que está desaparecida desde o último dia 7. Mais detalhes das investigações estão previstos para serem divulgados, em entrevista coletiva, hoje à tarde.

As buscas começaram, ontem à tarde, em um bueiro, próximo ao Centro de Eventos Dante de Oliveira, onde estaria um corpo. As investigações, com base na versão de um suspeito investigado que foi detido, apontaram onde estaria o suposto corpo. Profissionais da Perícia Oficial e Identificação Técnica (Politec) também participaram das buscas, bem como uma equipe do Corpo de Bombeiros. A área foi isolada e as buscas duraram algumas horas.

No entanto, devido ao tamanho da tubulação e por estar escuro não foi possível constatar se a versão apresentada pelo suspeito é verdadeira.

De acordo com o perito criminal, Carlos Eduardo Siqueira o corpo estava em avançado estado de decomposição. “Por estar 11 dias desaparecido, estava muito em decomposição. Por conta disso, tinha membros que estavam soltos do tronco. Não deu para fazer uma análise muito detalhada no corpo e ficará por conta da necropsia para saber a causa da morte. Preliminarmente um familiar reconheceu a calça que ela estava usando. Agora, o reconhecimento definitivo será pelas digitais ou DNA. Ela estava com um relógio dourado também”.

Siqueira afirmou ainda que existe a possibilidade do corpo ter sido jogado no bueiro e acabou sendo levado pela água. “Primeira denúncia o suspeito levou os policiais no local onde ele afirmou ter deixado dentro da ‘boca de lobo’. Como começou a chuva a água pluvial acabou carregando o corpo parando no bueiro de concreto no final do córrego. O corpo estava sem o crânio que foi encontrado próximo. Pelo tempo, ocorreu desligamento. Não foi possível identificar se levou alguma pancada para causar afundamento do crânio, por exemplo”.

Só Notícias/Cleber Romero (colaborou: José Carlos Araújo - fotos: Só Notícias/Guilherme Araújo e reprodução - atualizada 14h16)