Polícia

Comandante diz que demanda é por convocação em 1ª chamada de 600 aprovados em concurso da PM

O comandante-geral da Polícia Militar de Mato Grosso, coronel Jonildo José de Assis, afirmou que já há uma sinalização do governador Mauro Mendes (DEM) para convocação imediata de alunos-soldados e alunos-oficiais no concurso que está em andamento pelo governo do Estado.

“O concurso todo é um cadastro de reserva. Mas já existe a sinalização do governo do Estado para que faça uma chamada imediata de soldados e oficiais da PM. A demanda hoje básica é de 600 policiais na primeira chamada. Oficiais a gente precisaria de umas quatro turmas com 25 policiais. E aí, com certeza, vamos estar completando alguns ‘claros’ que temos no Estado”, afirmou Jonildo, em entrevista ao programa Conexão Poder.

O coronel também explicou que o concurso não deve resultar em aumento de efetivo, mas que será uma reposição dos policiais que deixaram o serviço público nos últimos. “Em uma instituição como a Polícia de Mato Grosso, nós não vamos chegar a ter 20 mil homens. Mesmo porque financeiramente o próprio Estado não vai comportar esse efetivo. Vamos justamente trabalhar com um efetivo real, que dê para se trabalhar. E aliado a isso vamos agregar tecnologia, análise criminal, que é muito latente, hoje, no serviço policial militar. Não se faz polícia sem analisar dados da criminalidade. Isso norteia muito bem o nosso trabalho”.

As inscrições para o concurso público da Segurança Pública, que contempla, além da PM, diferentes cargos na Polícia Civil, Perícia Oficial (Politec) e Corpo de Bombeiros, começaram nesta quarta-feira e seguem até o dia 24 de janeiro. O valor das inscrições varia entre R$ 120 e R$ 200, devendo ser feita pelo site da Universidade Federal de Mato Grosso (realizadora do concurso).

Para a Polícia Militar e o Corpo de Bombeiros Militar, as vagas ofertadas são para oficial e soldado. Para a Polícia Judiciária Civil, as vagas são para escrivão e investigador. Já para a Politec, as vagas são para perito oficial criminal, perito médico legista e perito odonto legista.

O concurso exige que o candidato tenha ensino superior completo, sendo que algumas vagas possuem exigência em algumas áreas específicas de formação, como é o caso do curso de Direito para oficiais da PM e do CBM e de Medicina e Odontologia para os cargos de perito médico legista e perito odonto legista. Os salários variam entre R$ 3,3 mil e R$ 13,9 mil.

O concurso será para formação de cadastro de reserva, no entanto, o governador Mauro Mendes já anunciou que a previsão é de que 1.200 novos servidores sejam nomeados ainda em 2022. As provas serão realizadas no dia 20 de fevereiro em Cuiabá e em algumas cidades polos, como: Rondonópolis, Sinop e Barra do Garças. O concurso tem validade de dois anos, podendo ser prorrogado por mais dois anos.

Só Notícias/Herbert de Souza (foto: arquivo/assessoria)