Opinião

Um diplomata leiloeiro

Cada macaco no seu galho, isso é histórico e muito sábio.
O ex-inquilino do poder maior da Nação brasileira, é um bom exemplo do tema a que estamos nos referindo.
Homem culto, diplomático, especialista na arte de entender de gente, todos estes predicados, não foram suficientes para lhes conferir competência política administrativa, na essência da palavra.
Quem não lembra da história recente que nosso país viveu, do déficit na balança comercial, do desemprego, do apagão, do risco Brasil, da busca desenfreada de recursos financeiros no FMI, do descaso para com o Exército Brasileiro, a ponto de inviabilizar o recrutamento de jovens que tanto necessitam de disciplina e civismo e, das mentiras deslavadas que nos passou em pleno palanque por três vezes a respeito da BR 163, do entreguismo das teles, do setor energético, e de tantas outras estatais que hoje são extremamente rentáveis em mãos competentes. Ah, por muito pouco, não foi a Petrobrás pro beleléu.
E pior, vendeu, vendeu e não pagou ninguém, entregou o país endividado, desacreditado e mais quebrado que arroz de terceira.
Você não concorda que ele se comportou mais pra diplomata leiloeiro do que pra diplomata administrador?
Ainda bem que o seu sucessor, homem simples de origem humilde, porém, dotado de senso de responsabilidade, sentimento nacionalista, e humanitário, vem pautado numa filosofia administrativa totalmente diferenciada.
Já pensou, se tivéssemos eleito um diplomata liquidante de massa falida? É preciso nos engajarmos nesta luta por novos rumos e, jamais nos olvidar, “cavalo não desce escada”
Brasil acima de tudo !

Jorge Antonio Baldo é Presidente da Associação de Desenvolvimento Regional Para Conclusão da BR 163.
Sorriso – MT