quarta-feira, 28/fevereiro/2024
PUBLICIDADE

Segurança pública: condição de liberdade

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

A atividade policial no mundo moderno- e no nosso caso, nos limites legais do art. 144 da CF/88-“dever do Estado e responsabilidade de todos, e segundo a tendência aceito no Ocidente, pelas sociedade democráticas, tem como objetivo maior a defesa de legalidade e a segurança dos cidadãos; ou seja, a defesa da vida e da integridades individual e coletiva. Assim, a policia cumpre e faz cumprir as leis com os meios e do modo que a própria lei o determina. Isto significa que a segurança é condição de liberdade e o policial, acima de tudo, é também um cidadão e, como tal, sujeito à mesma lei que usa para os outros no seu trabalho. Ou seja, a polícia também é direitos humanos- entendido em sua dimensão maior- direitos fundamentais do cidadão. A relação entre ação policial e respeito aos direitos fundamentais do outro, é direta e não inversa ou contraditória. O policial- como agente e representante do Estado, possui o monopólio legal do uso da força e da violência, se necessárias. A tarefa não é fácil. Envolve riscos de ordem pessoal, institucional; causa estresse, medo e insegurança. Daí que, o profissional da segurança publica é, em primeiro lugar, e para seu próprio bem, um executor e respeitador dos direitos humanos em suas atividades. E, para desempenhar bem seu mister, necessita de uma constante e reiterada capacitação, meios e equipamentos adequados e, principalmente, uma acompanhamento e supervisão atentas e acessíveis a sua condição.

O uso da força e da violência institucionais é legal, mas não arbitrária. O exercício da autoridade não é um privilegio mas uma função social; um serviço á sociedade e, porque é assim, os seus agentes são credores da consideração e do respeito dos cidadão. Portanto, uma direção segura, com políticas e diretrizes claras das autoridades competentes, revertem-se em beneficio, não somente para o agente policial mas para toda a população. A policia, em suma, antes de uma profissão ou cargo, é um modo de atuar e servir com autoridade legal, intervindo em situações conflituosas ou prevenindo-as, quando em risco estiver a paz publica e a segurança do cidadão e da comunidade, tudo dentro da estrita legalidade e normas técnicas profissionais. A policia deve ser agente de mudanças éticas na sociedade. E, esta postura, no mundo moderno, é sinônimo de direitos fundamentais; a ética da vida em primeiro lugar. A lei e sua correta aplicação constitui condição de liberdade e não, entraves a seu usufruto. E a policia- primeira no seu respeito e cumprimento- por dever funcional, espelha os valores maiores da sociedade de onde é originária.

Numa sociedade democrática e livre, o povo espera muito de sua policia. Nessa sociedade- como a nossa, a policia, em sua ação, situa-se num ponto de equilíbrio, assegurando, por um lado, o respeito aos direitos do homem e, por outro, executando o poder legal que foi conferido pelo Estado, em nome desse mesmo povo, para protegê-lo e dar-lhe segurança. O policial é um cidadão (â) que se respeita a si próprio, através do respeito aos outros.

Auremácio Carvalho é advogado, sociólogo e ouvidor de Polícia de Mato Grosso.

COMPARTILHAR

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Mais notícias

A grande expectativa coletiva

É muito fácil presentear quem não precisa de amparo...

Não é apenas água que falta em Várzea Grande!

Se você mora em Várzea Grande ou tem um...

Somos idealizadores de objetivos

Ao comprometermos com algo infinitamente superior as nossas forças,...

Aqui não cabe potoca

Antigamente, lá na roça os homens, em sentido lato,...