quinta-feira, 22/fevereiro/2024
PUBLICIDADE

O sentido de ser cuiabano

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Os costumes e o modo de viver em Cuiabá é uma coisa mágica, e que aqueles que não nasceram aqui, jamais vão entender, o porquê das pessoas que nascem aqui estar sempre bem humoradas e voltadas para o “viver feliz”.

O cuiabano pode ser definido como uma pessoa alegre e que encontra prazer nas pequenas coisas que este lado de mundo lhe ofereceu. Viver mais de dois séculos segregados e isolados do resto do país foi sofrido, por um lado foi ruim, mas por outro lado foi muito bom porque se preservou: a cultura, a culinária, o sotaque e o modo de viver.

O cuiabano é um “bon vivant”: valoriza a cervejinha bem gelaaaaaaaaaaada, joga o truco espanhol como ninguém: “truco, quero retruco, quero seu chapéu, seu bananinha de bolicho, seu mambira, capim de taipa”; ou mesmo o jogo de bozó, ou uma boa pescaria de bagres, pacu e piraputangas, participar de roda de bate-papo pra comer uma cabeça de boi assada, ou um pacu frito como tira-gosto , fazer “moagem” e colocar apelido em todo mundo com a maior naturalidade, e com isso facilitando a fazer amizades, e em poucos minutos de convivência já convida o “estranho” para tomar uma cerveja na sua casa e oferece o que tem na cozinha como forma de hospitalidade.

Em cada nascer de um novo dia, é mais um momento mágico para o Cuiabano reverenciar esse dia e com bom humor que lhe é peculiar, exaltando a continuação da vida.

Logo que amanhece, o cuiabano toma o seu guaraná ralado na grosa no vai-e-vem dos movimentos lentos, e é nesse momento que ele passa a filosofar a vida, e tem como o ponto de partida para começo de um novo dia. Essa bebida por ser estimulante lhe dá um perfeito estado de sintonia com o mundo, revigorando e tirando todo o estado depressivo, que raramente o afeta.

E, por falar no guaraná de ralar, a cultura cuiabana diz que: a pessoa mais idosa é a mais indicada para ralar o guaraná, sabe porque? É que os movimentos lentos que a idade lhe impõe, e com a sua lentidão implementada no vai-e-vem no passar o bastão na grosa, o pó sai sem queimar, garantindo o seu sabor .

E o desjejum é o famoso “quebra-torto”, podendo ser um escaldado de ovo de galinha caipira, ou um revirado de carne cortada na faca e mexido na farinha ou uma paçoca de carne seca socada no pilão.

Fico a ouvir pessoas que recebem um título de “Cidadão Cuiabano”, por estar a muito tempo aqui e ter fincado suas raízes nesta terra, passam a falar: “sou mais cuiabano do que os próprios cuiabanos que nasceram aqui”. Não é, e nunca será. Porque ser cuiabano é um estado de espírito particularizado. Essas pessoas tituladas de cuiabanos, logo no primeiro minuto ao ser castigado por esse calor gostoso que só nós suportamos com naturalidade, e esse sol escaldante que só nós adoramos, para eles o calor e o sol fortíssimos se transformam no muro da lamentação.

E, sem querer, eles passam dizer “isto aqui parece um inferno” e sem pensar descarregam todo tipo de descontentamento sobre esta terra e sua gente. Antigamente esses forasteiros eram chamados de “pau rodados” e com o nascimento de seus filhos passam a ser chamados de “pau fincado”, são cuiabanos por opção, mas nunca vão ser um cuiabano como os de nascimento: nunca vão ter o bom humor, a hospitalidade, espontaneidade para as festividades, e a alegria de viver tranquilamente e que faz parte da natureza dos autênticos cuiabanos.

Os verdadeiros cuiabanos estão preocupados em viver e não fanatizar “ter”. Essa é a grande diferença da filosofia do viver do cuiabano. Não tem o “ter” como o sentido único da vida e para ele o “ser” é o estigma de felicidade. Na verdade cuiabano não está apenas preocupado em acumular riquezas e patrimônios. Para ele o sentido da vida é viver bem, ele trabalha para viver e não vive para trabalhar. E com isso ele prolonga mais sua vida, que é firmada nesta máxima: o sentido da vida é viver.

As pessoas que vieram de outros estados costumam chamar os cuiabanos de preguiçosos: mas essa qualificação não nos cabe, por que antes deles chegarem por aqui, com o trabalho e suor dos cuiabanos tudo isso aqui já estava construído.

Você que não nasceu aqui, se não quiser ferir os ouvidos dos cuiabanos, é só não cometer uma cacofonia ao pronunciar: “no” Mato Grosso. Quem nasce em Cuiabá, nasce em Mato Grosso. Quem nasce “no” Mato Grosso, nasceu “no” pau grosso, (substantivo comum), e quem nasceu em Mato Grosso, nasceu no estado: substantivo próprio.

Quando ouvimos comunicadores de rádio e televisão pronunciar “no” Mato Grosso ou “do” Mato Grosso, ficamos a pensar, esses camaradas metidos “bestas” ficam a criticar o sotaque do Cuiabano, comete essa cacofonia imperdoável e segue a repetir dia após dia em nossos ouvidos, ferindo a nossa cultura e nos classificando com pessoas que vivem “no” Mato Grosso (pau grosso) e não “em” Mato Grosso, nosso querido estadão. Outro erro grave é pronunciar “baixada cuiabana”, aqui não existe mar, portanto o correto é pronunciar vale do Rio Cuiabá, ou seja, as cidades próximas de Cuiabá fazem parte do vale do Rio Cuiabá.

Wilson Carlos Fuá – economista
Nasci aqui, graças a Deus.

[email protected] 

 

COMPARTILHAR

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Mais notícias

Não é apenas água que falta em Várzea Grande!

Se você mora em Várzea Grande ou tem um...

Somos idealizadores de objetivos

Ao comprometermos com algo infinitamente superior as nossas forças,...

Aqui não cabe potoca

Antigamente, lá na roça os homens, em sentido lato,...

O seu pior inimigo pode estar no seu voto

Muitas pessoas estão apenas preocupadas em mudar o mundo...