Opinião

Nem normal tampouco anormal, apenas desafiador

Quando iniciamos 2020 eram muitas expectativas, metas arrojadas e a convicção de um grande ano pela frente. Março chegou e veio também o enfrentamento à pandemia; todos nós perdemos pessoas importantes e queridas nesse período, cada um enfrentou a dor e a ausência conforme suas condições e principalmente o apoio e solidariedade recebidos.

Acredito sinceramente que é assim que precisa ser, enxugar as lágrimas, respirar fundo, retomar o fôlego e continuar; a cada dia um novo despertar – o mundo não vai parar para você viver o ontem novamente.

Desde o início tenho somado com os que afirmam que o que não se pode perder é a coragem, o discernimento e a vontade de vencer, pois do contrário não existirá motivação para avançar.

Durante todo esse tempo, assistimos a grandes exemplos de inovação, de trabalho árduo, de criatividade e transformação em todos os segmentos, mas também continuamos ouvindo alguns grandes especialistas no desconhecido e profetas de notícias requentadas, que insistem em anunciar que “logo tudo vai passar”.

Em verdade o que vivemos nesse ano complexo, foi a divisão entre os que precisavam fazer e os que podiam esperar, não estou me referindo aos que se recolheram a proteção dos lares e se colocaram em trabalho remoto, pois muitos trabalharam até mais do que quando estavam em seus postos nas empresas; mas vimos também uma boa parcela de pessoas que “preferiram” pisar no freio e esperar tudo passar pois era necessário “aguardar a solução mágica”.

Desculpem os amantes da ilusão ignorante, os usuários de “óculos de Poliana” e os praticantes de discursos vitimistas; a humanidade precisa de iniciativa, de coragem e ação. Enquanto se aguarda a mágica da vacina ou o milagre da cura, continuamos a ser manipulados por grandes interesses, perdemos a oportunidade de fazer acontecer, de reinventar, inovar e crescer. A superação de crises, desastres, pandemias e catástrofes só é possível com criatividade e muito trabalho.

Enquanto se discute o que vai ser ou quando vai ser, os verdadeiros empreendedores, em cada lugar do mundo, estão criando, inovando ou simplesmente fazendo o que podem e da forma que podem; porque sabem que é necessário ou mesmo porque precisam sobreviver e tenham certeza, eles sobreviverão e ficarão mais fortes.

Quem aguardar a mágica ou ficar sentado a espera do milagre, certamente vai ficar para trás, vai perder o momento e quando perceber, o seu espaço já foi ocupado por aqueles que não se acomodaram e continuaram trabalhando.

Acredito que estejamos todos cansados; cansados dessa conversa à toa; cansados dos que passaram meses e meses alardeando que não deixaram de trabalhar um único dia durante a pandemia, como se isso fosse uma grandiosidade e não mera obrigação; cansados dos que ainda insistem em falar que transformaram totalmente sua atividade e agora estão trabalhando muito bem, oferecendo, produtos e serviços de forma virtual aos seus clientes. Aos desavisados – VIRTUAL é aquilo que não é real, e nós vivemos no REAL; então transforme -se sim, adapte-se sim, mas ao digital, ao tecnológico e nunca ao virtual, pois isso é só a sua imaginação e não paga contas, não gera empregos, nem traz prosperidade.

Aos que ainda estão apenas no discurso, façam um favor a todos e a si mesmos, esqueçam o virtual, avancem pelo digital; não esperem passar, enfrentem o desafio; não acreditem na falácia do “vai passar”, incluam-se na realidade da pós-pandemia e sigam em frente, façam novos negócios, explorem novos mercados, produzam bens ou serviços necessários à atual realidade e de forma inovadora, tenham coragem e sejam felizes.

Se você ficou em casa e acredita que não deixou de trabalhar nenhum dia, faça um balanço verdadeiro de tudo o que produziu, o quanto evoluiu e quantos foram beneficiados pelo seu “trabalho em casa”, para ter certeza de que pode honestamente continuar com essa afirmação.

E seja como for, saibam que o mundo real da pós-pandemia está aí, ele é verdadeiro e concreto, tem espaço para todos os que desejam trabalhar, produzir e crescer; levantem-se e venham para a realidade, grandes oportunidades estão disponíveis.

É assim que vence a crise, é assim que desafios são superados, é assim que se forjam verdadeiros seres humanos e é assim que se faz uma sociedade digna, próspera e sustentável.

Não podemos iniciar 2021 sem mostrar o respeito pelos que perdemos nessa enorme batalha, mas também e principalmente, exaltar aos que diante da dor e dificuldade não fraquejaram e engrossaram as fileiras do grande exército de vencedores. A todos os que fizeram a diferença quando muitos não acreditavam que fosse possível, saibam que são grandes heróis, porque não se entregaram, fizeram o que era preciso fazer e isso fez toda a diferença. Nada foi feito buscando reconhecimento ou vantagens foi feito apenas porque era necessário.

Tenham a certeza de que cada um que participou desse processo, por mais simples que possa parecer sua ação, ela fez diferença na nossa sociedade. Todos os que enfrentaram o desafio são especiais; independentemente de reconhecimento alheio, quem fez sabe bem o quanto fez e o esforço desse seu fazer. Os outros, quando tudo passar talvez continuem com suas vidas e sem nem ao menos perceber o quanto foi difícil manter tudo funcionando; mas aos que fizeram fica aqui o reconhecimento e a inquestionável certeza – a sociedade humana segue em frente graças ao trabalho e esforço de milhares de anônimos que não se acovardaram e fizeram a diferença.

E a vida segue em frente, venha logo 2021 pois muitos estão prontos…

 

Carlos Alberto Rissato - consultor em Gestão Empresarial, palestrante e professor, analista de Sistemas, engenheiro eletricista e advogado e diretor Regional do Sesc Mato Grosso.