Geral

Peritos americanos vão investigar causas de incêndios em Mato Grosso

Peritos da Guarda Florestal dos Estados Unidos atuarão em Chapada dos Guimarães e Gaúcha do Norte para determinar as causas dos incêndios florestais que têm ocorrido nas regiões. Os profissionais chegam a Mato Grosso neste fim de semana e ficarão por duas semanas. Essa é a primeira vez que atuarão em campo no Brasil.

O Ministério do Meio Ambiente (MMA) informou que serão 6 profissionais especialistas que detectarão a origem das chamas. O apoio foi oferecido pelo governo americano. Segundo o ministério, já existe uma proximidade entre Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) com o Serviço Florestal Americano.

Os profissionais estrangeiros estiveram no Brasil oferecendo capacitações em diversos parques. A presença no Parque Nacional de Chapada dos Guimarães (PNCG) será a primeira atividade prática dos americanos. O parque já foi alvo de 22 ocorrências este ano, desde o dia 15 de junho. A área atingida é estimada em pouco mais de 6 mil hectares, no interior da unidade de conservação, e 45 mil hectares nas imediações, de acordo com o MMA. A área total devastada pelo fogo nesse período ainda não foi contabilizada porque há incêndio na região.

Nesta sexta-feira (13), estavam em operação 57 brigadistas do ICMBio e do Ibama, distribuídos em 11 esquadrões, para combater 4 ocorrências, sendo que duas iniciaram ontem. De acordo com o MMA, 3 incêndios foram controlados. O quarto, o maior deles, está fora dos limites da unidade de conservação, mas os profissionais estão auxiliando no combate.

Este ano, Chapada dos Guimarães (67 km ao norte de Cuiabá) já registrou 347 focos de calor, o que representa 951% a mais do que em 2018, quando registrou apenas 33 focos. As queimadas causaram prejuízos acima de R$ 24 milhões no município, considerando os gastos públicos e as perdas das propriedades privadas. Os números críticos levaram a prefeitura a decretar situação de emergência. O decreto tem duração de 180 dias.

O impacto das queimadas atingiu todos os setores sociais da cidade, principalmente o turístico. Diversos pontos de visitação foram fechados, sem previsão de reabertura. No PNCG, os atrativos foram bloqueados na segunda-feira (9). Os hotéis da região estão sofrendo com os cancelamentos das reservas. A situação começou a se agravar no dia 7 de setembro quando foram registradas muitas ocorrências.

Essa semana, o Conselho Municipal de Turismo de Chapada dos Guimarães (Comtur), a Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL local) e a Casa Solidária se uniram em prol dos brigadistas para combater e prevenir os fogos que estão por toda a parte.

A Gazeta (foto: assessoria/arquivo)