Geral

Alta Floresta assina hoje procolo de combate a incêndios

Reafirmar seu compromisso com a prevenção e controle do fogo é o objetivo de todos os segmentos da sociedade altaflorestense, ao assinar hoje, seu Protocolo Municipal de Prevenção ao Fogo, as 19h30, no Lions Clube, promovido pela ong coordenadora do Programa de Prevenção e Controle dos Incêndios na Floresta Amazônica, Instituto Floresta de Pesquisa e Desenvolvimento Sustentável, o evento terá a presença, além de autoridades locais, do coordenador geral do Programa Fogo na Cooperação Italiana, órgão que financia o projeto, Roberto Bianchi, que veio conhecer in loco a realidade local a fim de fortalecer as ações da região junto a embaixada italiana, em Brasília.

O Protocolo é um documento elaborado pela comunidade junto com as instituições municipais e organizações não-governamentais, onde cada segmento estabelece o que pode fazer para reduzir o índice das queimadas e prevenir os incêndios florestais. Alta Floresta o assina pelo sexto ano consecutivo. A grande meta do Protocolo, que as experiências realizadas sejam transformadas em políticas públicas governamentais, vem sendo atingida. O apoio do Ministério do Meio Ambiente através da Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável, a partir de 2004, é um exemplo disso.

Histórico – O Programa de Prevenção e Controle dos Incêndios na Floresta Amazônica é o nome da terceira fase do Programa , que teve início em 1999, desenvolvido pela ong Amigos da Terra nos estados de Mato Grosso, Acre e Pará, com o nome de Fogo: Emergência Crônica. Nesta época ele surgiu pela necessidade do encontro de soluções emergenciais, efetivas e duradouras para o problema do fogo descontrolado na Amazônia. Em 2003 o Programa encerrou sua fase emergencial e passou para uma segunda etapa. Coordenado dessa vez, pela ong Instituto Centro de Vida – ICV, o Programa passou a chamar-se Amazônia Encontrando Soluções. Nesta fase consolidou e ampliou resultados. A partir de 2004, para fortalecer ainda mais esses resultados a Cooperação Italiana resolveu descentralizar o Programa por meio de coordenadorias regionais.  

A região Norte de Mato Grosso ficou a cargo do Instituto Floresta, iniciando a terceira fase com o nome de Programa de Prevenção e Controle dos Incêndios na Floresta Amazônica. Nesta fase consolida novas ações sempre permeadas pela Educação Ambiental. São elas: os Protocolos Municipais; o Manejo sustentável de pastagens, através de unidades demonstrativas; Formação das brigadas comunitárias e Oficinas de reciclagem de papel nas escolas.