Esportes

Nos pênaltis, Atlético-MG vence o Boca Juniors e avança às quartas da Libertadores

Foi sofrido, mas o Atlético-MG garantiu a classificação às quartas de final da Libertadores. Nesta terça-feira, a equipe do técnico Cuca venceu o Boca Juniors por 3 a 1 na disputa de pênaltis, após empate por 0 a 0 no tempo normal, no Mineirão e avançou no torneio continental. O jogo de ida das oitavas, disputado na Argentina, também terminou empatado sem gols.

Com a bola rolando, o Galo encontrou dificuldade para superar o time argentino e criou poucas boas chances. A melhor delas foi com Zaracho, que ficou na cara do gol logo no início da partida, mas finalizou em cima do goleiro Rossi. Já o Boca chegou a balançar as redes atleticanas no segundo tempo, após falha de Everson, mas o tento foi anulado por impedimento.

Nos pênaltis, o goleiro Everson brilhou. O arqueiro defendeu as cobranças de Villa e Rolón, contou com uma isolada de Izquierdóz e ainda converteu a última cobrança para garantir a classificação do Atlético-MG.

Agora, o Galo aguarda o vencedor do duelo entre Argentino Juniors e River Plate para saber quem enfrentará nas quartas de final da Libertadores. O jogo de ida entre os times argentinos terminou em 1 a 1.

O Atlético-MG volta a campo no domingo para enfrentar o Bahia, às 11 horas (de Brasília), no Mineirão, pela 13ª rodada do Brasileirão. Já o Boca Juniors visita o Banfield no sábado, às 20h15, pelo Campeonato Argentino.

O jogo – A grande oportunidade do primeiro tempo foi do Atlético-MG. Logo aos três minutos, Tchê Tchê fez grande enfiada de bola para Zaracho, que invadiu a área e ficou na cara do gol, mas finalizou em cima do goleiro Rossi.

Aos poucos, o Boca Juniors foi ganhando confiança e diminuindo a pressão do Galo, que encontrou dificuldade para chegar ao ataque com perigo. A equipe argentina chegou pela primeira vez com Pavón, que arriscou de fora da área, mas sem qualquer direção.

Pouco depois, nova chegada perigosa em jogada de Briasco, que driblou Mariano e bateu cruzado, exigindo defesa da Everson. O lance, no entanto, foi paralisado por impedimento. O Galo respondeu com Savarino, que recebeu lançamento na área e chutou para fora, em jogada também impedida.

Nos minutos finais da primeira etapa, o Boca teve sua melhor chance. Após tabela pelo meio, Sebastián Villa finalizou forte de fora da área, mas Everson espalmou para linha de fundo.

O clima esquentou no segundo tempo, com jogadores e membros da comissão técnica dos dois times batendo-boca. Um gol anulado do Boca Juniors só aumentou as discussões. Aos 17 minutos, Everson falhou após levantamento na área do Atlético em cobrança de falta, e bola sobrou para Weigandt, que finalizou de primeira e estufou as redes. Após muita confusão e demora no VAR, o árbitro desvalidou o tento argentino por impedimento de González, que trombou com Everson na início do lance.

O susto do gol anulado foi suficiente para acordar a equipe de Cuca, que voltou a chegar ao ataque com qualidade. Após bom passe de Eduardo Sasha, Savarino invadiu a área e chutou cruzado, tirando tinta da trave direita de Rossi.

O Boca voltou a levar perigo com Pavón. Primeiro, o atacante cobrou falta e exigiu defesa de Everson. Na sequência, o argentino aproveitou erro na saída de bola do Galo e finalizou forte de pé direito, raspando a trave direita dos mandantes.

Nos acréscimos, o Atlético pressionou em busca da vitória no tempo normal, mas em vão. A melhor oportunidade foi com Dylan Borrero, que tentou surpreender ao chutar sem ângulo, mas parou em boa intervenção do goleiro Rossi. Com o placar inalterado, o confronto foi para a disputa de pênaltis.

Nas penalidades máximas, o goleiro Everson brilhou. O arqueiro defendeu as cobranças de Villa e Rolón, contou com uma isolada de Izquierdóz e ainda converteu a última cobrança para garantir a classificação do Atlético-MG. Hulk, na trave, e Hyoran, para fora, desperdiçaram pelo lado do Galo.

Gazeta Esportiva (foto: Pedro Souza/assessoria)