Economia

Trabalhadores de madeireiras no Nortão preparam mais para protesto para 4ª

Será definida hoje a forma que será feita a manifestação, na 4ª feira, em várias cidades do Nortão, pelos trabalhadores das indústrias madeireiras, contra a inércia do Ibama em relação a liberação de planos de manejo para as indústrias madeireiras trabalharem em ritmo normal e evitarem mais demissões. Passeata e ato público não estão descartados. Conforme o presidente do Sindicato da Indústria Madeireira, Construção Civil e Mobiliário do Norte de Mato Grosso (Siticom), Vilmar Galvão disse que fará uma convocação para a prefeitura, câmara municipal, sindicato de madeireiros e outras entidades reforçarem o manifesto. A manifestação deve ser feita também em Vera, Marcelândia e Feliz Natal.

Os trabalhadores irão protestar contra a lentidão nos trabalhos do Ibama, que não tem liberado planos de manejo florestal (obrigatórios para extração de árvores-toras em determinadas áreas) para as indústrias madeireiras. Desde junho, quando começou a Operação Curupira -que resultou em prisões de funcionários do Ibama e empresários por crimes ambientais- que está praticamente parada a liberação dos planos de manejo. O Ibama Sinop diz que faltam procuradores para analisar e liberar os planos. A direção do órgão no Estado diz que espera a realização de concurso público para contratar procuradores. E que as indústrias terão que seguir à risca todas as inúmeras exigências para conseguirem as autorizações. A maior parte das indústrias madeireiras está tendo inúmeros prejuízos por falta de matéria prima. Se fizerem a extração de toras sem os planos de manejo serão duramente penalizadas. As madeireiras estão de mãos amarradas e as demissões acabam sendo inevitáveis sem falar nos prejuízos: não cumprimento de contratos, perda de clientes e dificuldades para saldar dívidas com credores.

O sindicato dos trabalhadores obteve dados que, só nos meses de junho e julho, foram mais de mil demissões só em Sinop.
A decisão de paralisação foi tomada na sexta-feira durante uma reunião com representantes de sindicatos dos municípios de Sinop, Vera, Marcelândia e Feliz Natal, juntamente com o presidente da Federação dos Trabalhadores das Indústrias de Mato Grosso, Ronei de Lima.