Economia

Gás natural: MT Gás fecha primeiro contrato com distribuidora

A Companhia Mato-Grossense de Gás (MT-Gás) assinou nesta quinta-feira o primeiro contrato com uma distribuidora de combustível para fornecimento do Gás Natural Veicular (GNV) ao consumidor cuiabano, que poderá abastecer o carro dentro dos próximos 40 dias.

Uma rede de postos em Cuiaba vai investir aproximadamente R$ 500 mil na construção da estrutura que receberá o gás comprimido. Segundo o proprietário da empresa, Paulo Eduardo Emboava, a capacidade de abastecimento é de 3 mil metros cúbicos por dia, suficientes para atender cerca de 300 veículos/dia, operando 24 horas diariamente.

“O gás é uma fonte energética mais barata e mais limpa. O consumidor ganha não apenas no preço, mas em ter o poder de escolha”, disse o empresário, que estima em 12 meses o retorno do capital investido.

O presidente da MT Gás, José Carlos Pagot, informa que nos próximos dias assinará contrato com outras quatro distribuidoras: Ipiranga, Castoldi, Santa Rita e Petrobrás. “As empresas estão preparando os últimos documentos para fecharmos o contrato. Até o final de agosto e inicio de setembro estaremos fornecendo um combustível natural ao preço mais competitivo do país”, observou Pagot, destacando que deve ficar abaixo do praticado em Mato Grosso do Sul, hoje em média R$ 1,32 o m³.

O atraso no processo ocorreu por força da repactuação dos contratos em virtude das alterações provocadas pelo governo Boliviano, que aumentou em 12% o valor do fornecimento do gás natural. O incremento, no entanto, destaca Pagot, foi diluído nos custos operacionais e não será repassado ao preço ao consumidor.

“Trabalhamos com uma planilha de preço excelente aos fornecedores e revendas. Esse aumento não muda em nada o preço que será definido ao consumidor”, afirma o presidente da MT Gás, destacando que as obras físicas da Central de Gás e os prazos contratuais estão sendo cumpridos rigorosamente.

Simultaneamente, já estão sendo instaladas em Cuiabá oficinas de conversão dos veículos com capacidade de converter quatro veículos diariamente. “Em 25 dias teremos cerca de 250 automóveis já adaptados ao GNV. Em quatro meses teremos uma frota de 1,5 mil veículos convertidos em Cuiabá”, afirma José Carlos Pagot.