Economia

Definido projeto para aumentar produção de bananas em Sinop

A Secretaria Estadual Desenvolvimento Rural e a Secretaria Municipal de Agricultura de Sinop firmaram parceria ontem para instalar um projeto de bananicultura para pequenos produtores rurais. Um projeto de produção de banana deve ser instalado na Gleba Mercedes (80 km de Sinop). “Haverá liberação de recursos do PRONAF (Programa Nacional da Agricultura Familiar) aos produtores para serem investidos na aquisição de mudas e para implantação de um pequeno sistema de irrigação.

“O mercado de bana em Sinop e região é promissor. O produtor sinopense Getulio Bianchi, por exemplo, vende cerca de 1,5 mil caixas/mês e tem mercado para 3 mil”, dissse o secretário municipal de Agricultura, Alexandre Picin, que esteve ontem com o secretário Estadual de Desenvolvimento Rural, Otaviano Pivetta, o vice-prefeito Aparecido Granja e o deputado Dilceu Dal Bosco, na produção de Bianchi. “Ele (Getulio Bianchi) tem uma forte carteira de clientes e está faltando produto. Esta parceria entre as secretarias é fomentar a produção e proporcionar mais emprego e renda aos pequenos produtores”, disse Picin.

No primeiro ano o produtor de banana poderá ter uma renda líquida mensal de aproximadamente R$ 1,5 mil. No segundo, a tendência é dobrar. O custo de produção de uma caixa de banana é de de aproximadamente R$ 5 e um forte consumidor em Sinop pagaria R$ 10 ao produtor. “É um negócio rentável para pequenos produtores. O mercado oscila e mesmo o mercado pagando R$ 8 eles sairão no lucro”, calculou Picin, em entrevista ao Só Notícias-Agronotícias.
Inicialmente a intenção para a Gleba Mercedes é implantar o projeto de bananicultura de 200 hectares

A Secretaria Estadual de Desenvolvimento Rural e a Secretaria Municipal dividiram tarefas para viabilizar este projeto. O município ajudará com a liberação dos Pronaf. A Secretaria Estadual vai viabilizar técnicos e o laboratório de mudas para auxiliar os produtores

“Vamos dar assistência até que o produtor faça a primeira produção e comercialização. Depois ele terá condições de andar com as próprias pernas”, acrescentou o secretário.
O trabalho está começando. Na gleba há cerca de 400 parceleiros. “Vamos levantar quantos estão aptos a serem beneficiados pelo Pronaf para entrarem no projeto”, finalizou.