Saúde

Sobe para 85 número de suspeitas de coronavírus em Sinop e secretário manifesta preocupação

Em cerca de 24 horas, Sinop registrou um aumento expressivo na quantidade de suspeitas do novo coronavírus. Até o início da noite desta sexta-feira, os números somaram 85 pessoas que apresentam sintomas leves, suspeitas de contágio pelo Covid-19, e que permanecem em isolamento domiciliar. O aumento passou foi de 157% em relação à quinta-feira, quando eram 33.

Apesar de ainda não ter casos confirmados, a alta no quantitativo de suspeitas também preocupa, conforme explicou o secretário Municipal de Saúde, Kristian Barros, durante entrevista coletiva concedida via internet. Segundo ele, o cenário reforça a necessidade de, quando possível, o cidadão também adotar o isolamento social como forma de se prevenir da infecção.

O gestor também reforçou que, mesmo que Sinop não tenha casos confirmados ou, sequer, de pacientes internados em estado moderado ou grave, é importante a conscientização da população. “Abrindo o comércio a chance é muito maior do coronavírus se proliferar, porque as pessoas vão transitar e fazer suas atividades. Mas isso vai muito da consciência de cada um. Nós estamos dizendo desde o começo da campanha para não se sair de casa. Se você pode, fique em casa. Saia, apenas, se houver necessidade mesmo”, reforçou.

“Seguimos à risca o protocolo do Ministério da Saúde. Mas cada cidadão também deve seguir à risca nossa orientação para sair de casa somente em extrema necessidade. Somente assim teremos chance de controlar o contágio”, salientou o secretário.

Em Mato Grosso, conforme a Secretaria de Estado de Saúde, 11 casos foram confirmados, sendo oito em Cuiabá, dois em Várzea Grande e um em Nova Monte Verde. Ao todo, são 556 suspeitos.

Conforme explica o secretário municipal de Saúde, Kristian Barros, Sinop aguarda a conclusão das análises das amostras encaminhadas ao Laboratório Central do Estado de Mato Grosso (Lacen), em Cuiabá. Até esta sexta-feira, das 290 notificações totais, 05 acabaram descartadas pela Secretaria de Estado de Saúde.

“Entendemos a sobrecarga sobre o Lacen. Quanto mais rápido tivermos os resultados melhor será poderemos traçar estratégias de controle de contágio. Mas precisamos também compreender que não basta a vontade de os resultados saírem rápidos. Esta é uma análise técnica que precisa ser realizada com muita cautela”, explicou o gestor da pasta.

Redação Só Notícias (foto: Só Notícias/Guilherme Araújo/arquivo)