Saúde

Pesquisa vai analisar saúde da mulher e da criança em Mato Grosso

A Secretaria de Estado de Saúde (Ses) realizará, a partir deste mês de novembro, em Mato Grosso, a Pesquisa Nacional de Demografia e Saúde da Mulher e da Criança (PNDS), financiada pelo Ministério da Saúde (MS) por meio de convênio com o Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap).
“Nosso objetivo é divulgar a pesquisa para que a população receba bem as equipes que farão o trabalho de campo, que será executado pelo Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística (Ibope), sendo que os entrevistadores estarão devidamente identificados”, disse o superintendente de Atenção Integral à Saúde, Victor Rodrigues.

Para o trabalho, os pesquisadores farão uso de crachá funcional, com foto da pessoa entrevistadora e telefones do Ibope e uma carta de apresentação descrevendo os objetivos do estudo e solicitando a participação dos entrevistados. As equipes também estarão utilizando um colete com o nome da pesquisa, além das logomarcas do Ministério da Saúde, do Cebrap e do Instituto. O prazo para entrega dos resultados é março de 2007.

Realizada em vários países do mundo, o objetivo da amostra nacional é obter informações sobre a vida reprodutiva das mulheres e das crianças em todas as regiões do país, em áreas urbanas e rurais, para aperfeiçoar os programas de saúde. “A proposta é atualizar o conhecimento dos indicadores de saúde da mulher e da criança, os seus diferenciais e os determinantes. As informações obtidas irão subsidiar o aprimoramento das políticas públicas em nosso país”, informou o secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do MS, Moisés Goldbaum.

Goldbaum disse ainda que as informações também serão compartilhadas com a comunidade acadêmica para o aprofundamento de estudos especiais desta área e a sociedade civil será contemplada com tais informações para o exercício do controle social. O estudo será realizado com mulheres entre 15 e 49 anos de idade e com os seus filhos nascidos a partir de janeiro de 2001.
PESQUISA

No Brasil, esta pesquisa já foi realizada em 1986 e 1996. Neste ano, o trabalho irá abranger um total de 675 municípios em todo país. Em Mato Grosso, serão em 35 cidades, sendo elas: Cuiabá, Nossa Senhora do Livramento, Várzea Grande, Alta Floresta, Arenápolis, Aripuanã, Barra do Bugres, Barra do Garças, Cáceres, Campos de Júlio, Canarana, Carlinda, Comodoro, Confresa, Jauru, Juara, Juína, Nova Bandeirantes, Nova Brasilândia, Nova Olímpia, Nova Xavantina, Novo Horizonte do Norte, Poconé, Porto dos Gaúchos, Porto Esperidião, Poxoréo, Primavera do Leste, Rondonópolis, Santa Carmem, São José dos Quatro Marcos, São Pedro da Cipa, Sinop, Sorriso, Tangará da Serra e Vila Bela da Santíssima Trindade.

De acordo com a responsável pela pesquisa e assessora técnica da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Heloiza Helena Casagrande Bastos, a pesquisa tem seis componentes: ficha do domicílio, questionário da mulher; medidas de peso e altura das mulheres e crianças e medidas da cintura das mulheres, coleta de sangue para avaliação da dosagem de retinol, hemoglobina e a identificação da hemoglobina S, que permitirá análise de anemia falciforme, teste do sal doméstico e coleta de sangue das crianças com até cinco anos.

O questionário a ser aplicado durante a entrevista está organizado em seções, dividido em temas. Um exemplo é a seção referente a segurança alimentar por meio do qual pretende-se coletar informações sobre alimentação das pessoas do domicílio nos últimos três meses que antecederão a entrevista. No tema reprodução, as questões contidas irão coletar dados sobre as gestações e os nascimentos de filhos vivos da mulher durante a sua vida.

Haverá ainda uma seção sobre anticoncepção com questões referentes ao uso de métodos anticoncepcionais para evitar gravidez, um módulo sobre conjugabilidade e atividade sexual, o acesso a medicamentos, vacinação e saúde (cobertura vacinal, prevalência de diarréias, doenças respiratórias, acidentes mais comuns, acesso e utilização de medicamentos para superar quadros de anemia, deficiência de vitamina A e o atendimento nos serviços de saúde pública), dentre outros temas.