Saúde

Ministério da Saúde confirma 13 casos de Coronavírus em Mato Grosso

Subiu para 13 o número de casos confirmados de coronavírus em Mato Grosso, informou, há pouco, o Ministério da Saúde, entretanto, no boletim nacional, não consta em quais cidades mato-grossenses foram confirmados os dois novos diagnósticos. Ontem, quando a secretaria Estadual de Saúde divulgou que eram 11 registros, ainda faltavam ser contabilizados três casos positivos de Rondonópolis, cuja documentação chegou após o boletim estadual ser sido concluído.

Neste boletim do Ministério não constam os números suspeitos por municípios, mas de acordo com a secretaria são 556 no Estado. O último boletim estadual, desta sexta-feira, confirmou  que Cuiabá lidera o ranking com 8 casos confirmados e apenas uma pessoa está hospitalizada (uma mulher, de 45 anos). Na sequência, aparece Várzea Grande com 2 casos (um homem, de 38 anos, e uma jovem, de 26 anos) e no Nortão há um em Nova Monte Verde (470 km de Sinop). As idades dos novos diagnósticos e municípios, divulgados pelo Ministério, serão divulgados no próximo boletim.

No boletim da secretaria Estadual de Saúde apontou que em Sinop há 85 suspeitos e 5 foram descartados. Sorriso tem 32 suspeitos, Colíder tem 23 sob investigação, Alta Floresta 8 e um descartado. Lucas do Rio Verde está investigando 7 e um deu negativo. Nova Mutum também tem 7 suspeitos e dois descartados. Em Rondonópolis são 42 investigados, Campo Verde espera resultados oficiais de 32 testes, Várzea Grande 28 e Tangará da Serra 25.

Subiu para 3.904 os casos confirmados de coronavírus no Brasil. O número de óbitos também aumentou para 111. De acordo com informações repassadas pelos estados ao Ministério da Saúde, até as 16h deste sábado (28), as mortes estão localizadas nos estados do Amazonas (1), Ceará (4), Pernambuco (5), Piauí (1), Rio de Janeiro (13), Goiás (1), Paraná (2), Santa Catarina (1) e Rio Grande do Sul (2). São Paulo continua registrando o maior número de casos e de mortes, são 84 óbitos no estado.

Redação Só Notícias (foto: arquivo/assessoria)