Saúde

Ingeração de ações na saúde pública dará maior eficiência ao setor

A Secretaria de Estado de Saúde busca integrar os instrumentos de planejamento que positivam as ações de saúde. O Secretario Adjunto de Gestão, Ronan de Oliveira Souza, e o Superintendente de Planejamento e Orçamento, Mauricio Gomes e toda equipe da Superintendencia de Planejamento e Orçamento já montaram a estratégia de conciliamentos dos mais variados instrumentos de planejamento.

Segundo o Adjunto de Gestão, Ronan de Oliveira, existem instrumentos de planejamento constitucionais que são: Plano Plurianual, Lei de Diretrizes Orçamentárias e o Orçamento Geral do Estado. Já os instrumentos infraconstitucionais inerentes às ações de saúde são: Plano Estadual de Saúde (PES); Programação Pactuada Integrada (PPI); Plano Diretor Regionalizado e Plano Diretor de Investimento. Além desses instrumentos o Estado de Mato Grosso contempla o Plano de Trabalho Anual (PTA) constituindo-se em uma peça orçamentária. Aliado a esses instrumentos existe também a Agenda Mato Grosso Mais Forte, instrumento infraconstitucional de planejamento político firmado com a Sociedade Mato-grossense.

Todos esses instrumentos de planejamento passam doravante a serem monitorado constantemente, com isso proporcionando ajustes operacionais e trazendo visibilidade das ações em saúde.
Tais mecanismos organizacionais garantem o planejamento e a programação das ações de saúde, impactando sobre os princípios de controle de gestão das finanças publicas, evitando desperdícios e má utilização dos recursos públicos. Tal atitude é voltada para a busca da eficiência, eficácia e efetividade.

O gerenciamento de tais instrumentos de planejamento introduzirá na SES um Plano de Eficiência, que ira proporcionar a verificação da produtividade das metas e resultados das ações de saúde. O Adjunto de Gestão afirma que “não basta um bom resultado isolado e esporádico, a eficiência exige que o bem comum seja buscado de forma permanente e contínua. A descontinuidade é uma quebra do dever de bem atuar, de perseguir sempre o bem comum. Para tanto é necessário desburocratizar a estrutura administrativa bem como os procedimentos.”

Além do gerenciamento dos instrumentos de planejamento a integração proporciona “uma gestão empreendedora, focada na missão e crenças de valores, objetivos e princípios de gestão da organização”, disse Ronan de Oliveira.

As metas preconizadas pelo Governador Blairo Maggi e pelo secretário interino de Saúde, Marcos Henrique Machado, previstas na Agenda Mato Grosso Mais Forte, irão “melhorar o perfil da Gestão da Saúde dentro da meta de governo de interiorização e descentralização dos serviços. A Saúde caminha para um comportamento da formalização de um Pacto de Eficiência que tem a finalidade de qualificar a gestão pública do SUS”, completou.

Concluindo, o secretario adjunto de Gestão de Saúde, Ronan de Oliveira, menciona que pela “ótica sistêmica da gestão publica orçamentária e econômica, devemos ser uma estrutura que atua como um conjunto de áreas de responsabilidade, concebidas como criadoras de valor e como centros de resultados, transformando os instrumentos de planejamento em suporte de transparência”.