Saúde

Equipes da Unemat em Sinop produzem protetores faciais para trabalhadores se protegerem do Coronavírus

Equipes da Universidade do Estado de Mato Grosso em dois câmpus estão produzindo equipamentos individuais de proteção para trabalhadores da saúde, que atuam na linha de frente do combate ao Coronavírus  Em Sinop os pesquisadores vem trabalhando para produzir, em impressora 3D, os protetores faciais, também chamados “face shield”. A meta inicial era de 200 equipamentos para o setor de saúde da cidade e região. Com o início da divulgação e a arrecadação de doações para a aquisição de materiais, a iniciativa foi somando parceiros.

Por meio da Fundação de Apoio ao Ensino Superior Estadual (Faespe), foi viabilizada a aquisição de material acetato suficiente para a confecção de 800 viseiras que compõem as máscaras. “A nossa ideia, enquanto fundação, foi apoiar essas primeiras unidades como teste e, enquanto isso, buscar mais recursos e parceiros para produzir um número maior”, afirmou o diretor geral da Faespe, Valter Danzer.

“Unimos forças e hoje temos um grupo, composto por professores da Unemat, em conjunto IFMT, UFMT, membros da sociedade civil e empresas, que busca soluções rápidas para atender às demandas das unidades de saúde”, explicou o coordenador do projeto da Unemat em Sinop, professor Tales Nereu Bogoni, doutor Ciência da Computação. Nessa frente, também fazem parte os professores Benevid Félix da Silva (Sinop) e Marcelo Leandro Holzschuh (Colíder).

O maior limitador, segundo o professor Tales, é o tempo de produção na impressora 3D. Cada modelo demora em torno de uma hora para ficar pronto. Com isso, cada máquina consegue fazer entre 12 e 15 unidades por dia. Para superar esse limite, o grupo está elaborando um molde para injeção de polímeros de plástico, que seria produzido em grande escala por uma empresa da região. “Isso agilizará o processo de fabricação das estruturas das face shields. Com a injeção de plástico, poderão ser feitas centenas de unidades em apenas um dia”, afirmou Tales.

A máscara é composta de duas partes: uma estrutura de suporte feita na impressora 3D e uma viseira em folha de acetato ou um tipo de resina denominada Poliestireno Cristal (PSCR), que foi a opção da Faespe/Unemat, por ser mais transparente do que o acetato. O processo se inicia com a modelagem dos suportes no computador. É feito um projeto, utilizando o sistema Blender, um software para a criação em 3D. O processo de impressão utiliza um filamento plástico específico, em PLA ou ABS. Enquanto isso, a viseira em PS Cristal é cortada em impressora a laser. Depois da impressão, é feito o encaixe das peças.

Após a confecção do protótipo inicial, ele foi encaminhado para os profissionais de saúde de Sinop, que avaliaram, deram sugestões e validaram os equipamentos. “É uma máscara reutilizável e de fácil higienização. Ela tem uma proteção de 22 centímetros, protegendo toda a face dos profissionais de eventuais contatos com fluidos”.

Em Barra do Bugres, também há uma frente de produção de máscaras protetoras. Os protetores faciais produzidos pela Unemat serão entregues gratuitamente também em hospitais e unidades de saúde em Sinop, Colíder, Barra do Bugres e Cáceres.

Só Notícias (foto: assessoria)