Política

Vereadores pedem embargo de construção em praça de pedágio na MT-208 em Alta Floresta

Os 13 vereadores que compõem o parlamento altaflorestense solicitaram que a prefeitura embargue a obra da praça de pedágio que será construída na MT-208 pelo Consórcio Via Brasil, a 13 quilômetros do trevo São Cristóvão, entrada principal de Alta Floresta. Paralelo ao requerimento há uma interpelação judicial pedindo explicações para a empresa pelo fato da obra não estar sendo construída em local decidido em audiência pública e que consta em edital.

Produtores já estiveram reunidos com vereadores requerendo intervenção para mudar o local onde será construída a praça de pedágio. Segundo o representante do Sindicato Rural, Paulo Moreira, os produtores tentam conseguir mudar o local e foi enviado a secretaria estadual de Infraestrutura e Logística (Sinfra) essa solicitação. “Vai ficar praticamente dentro da cidade e isso vai prejudicar de mais os produtores da 3ª Leste, 4ª Leste e Ramal do Mogno. Mandamos uma demanda para a Sinfra para que essa praça de pedágio fique a 23 quilômetros de Alta Floresta. Não somos contrários ao pedágio, mas ao local que ele está porque vai prejudicar muito os produtores, principalmente os produtores de leite”, explicou, anteriormente.

A concessionária Via Brasil já obteve as licenças ambientais necessárias para as obras de recuperação do trecho de 188,2 quilômetros das rodovias MT-320 e MT-208 entre Colíder, Nova Santa Helena, Nova Canaã do Norte, Alta Floresta e Carlinda. Além disso, foram feitas as licitações para contratação das empreiteiras que vão executar os serviços. Inicialmente, estão previstas quatro frentes de trabalho que serão desenvolvidas nos pontos mais críticos.

O termo de transferência da rodovia foi assinado, em maio, pelo secretário de Estado de Infraestrutura e Logística, Marcelo de Oliveira, o secretário adjunto de Concessão e Logística, Huggo Waterson e o presidente da concessionária, César Menezes. O prazo de concessão é de 30 anos. Os trabalhos de revitalização e manutenção do trajeto beneficiarão de forma direta 112 mil pessoas residentes nos municípios.

No trecho em questão serão instaladas três praças de pedágio. Uma delas na MT-320, Km 14,7 – nas proximidades de Colíder. Outra também na MT-320, Km 59,8, em Nova Canaã do Norte e a terceira na MT-208, KM 23, no município de Alta Floresta. O valor será de R$ 7,90, cada trecho.

O consórcio adquiriu o direito de administrar o trecho em leilão realizado na Bolsa de Valores de São Paulo (B3), em fevereiro passado, e só assinou o contrato com o governo no dia 12 de abril. Com a assinatura do termo de transferência da MT-320, a concessionária está autorizada a começar os trabalhos iniciais previstos em edital e têm o prazo de 12 meses para conclusão da primeira fase. Somente após o término dessa etapa, haverá cobrança de pedágio na rodovia.

 

Só Notícias/David Murba (foto: assessoria/arquivo)