Política

TSE vai excluir identificação biométrica nas eleições municipais devido ao Covid

O Tribunal Superior Eleitoral informou, ontem, que seguirá recomendação apresentada pelos infectologistas que prestam consultoria sanitária para as eleições municipais, que foram adiadas de outubro para o dia 15 de novembro e vai excluir a necessidade de identificação biométrica na votação. A decisão foi tomada pelo presidente do TSE, ministro Luís Roberto Barroso, após ouvir os médicos David Uip, do Hospital Sírio Libanês, Marília Santini, da Fundação Fiocruz, e Luís Fernando Aranha Camargo, do Hospital Albert Einstein, que integram o grupo que presta a consultoria. A questão ainda deverá ser incluída nas resoluções das Eleições 2020 e levada a referendo do plenário de Tribunal após o recesso do Judiciário.

Os técnicos do tribunal também participaram da primeira reunião da consultoria sanitária, que é prestada de forma gratuita e pretende estabelecer um protocolo de segurança, que deverá ser replicado em todas as seções eleitorais do Brasil.

Para decidir excluir a biometria, médicos e técnicos consideraram dois fatores: a identificação pela digital pode aumentar as possibilidades de infecção, já que o leitor não pode ser higienizado com frequência; e aumenta as aglomerações, uma vez que a votação com biometria é mais demorada do que a votação com assinatura no caderno de votações. Muitos eleitores têm dificuldade com a leitura das digitais, o que aumenta o risco de formar filas.

Ficou definido também na reunião que a cartilha de recomendação sanitária para o dia da eleição levará em conta cuidados para: eleitores (com regras diferenciadas para os que têm necessidades especiais); mesários; fiscais de partido; higienização do espaço físico das seções; policiais militares e agentes de segurança; movimentação interna de servidores e colaboradores no TSE e Tribunais Regionais Eleitorais (TREs); populações indígenas/locais de difícil acesso; e população carcerária.

O grupo deve se reunir semanalmente para definir as regras e a cartilha de cuidados. Durante a reunião, os três médicos afirmaram ter a avaliação de que, em novembro – quando ocorrerá a eleição – a situação da pandemia estará em condição bastante inferior à registrada atualmente.

O objetivo do grupo será “proporcionar o mais alto grau de segurança possível para os eleitores, mesários e demais colaboradores da Justiça Eleitoral” por conta da pandemia da Covid-19. O trabalho consistirá na avaliação de todos os riscos à saúde pública durante a votação, além do desenvolvimento e divulgação dos procedimentos e protocolos sanitários e ambientais a serem adotados.

Conforme Só Notícias já informou, o secretário de Estado de Saúde, Gilberto Figueiredo afirmou, ontem, que as movimentações nas ruas para campanha e votação vão provocar aglomerações e, com isso, aumento dos casos do novo Coronavírus no Estado. “Todo movimento dessa natureza nos oferece risco. Vamos entrar num período bastante complicado no Estado. Eleição só é mais um ingrediente nesse aspecto”.

Redação Só Notícias (foto: assessoria/arquivo)