Política

Sinop: Rosana se considera vitoriosa com eleição de Dorner e articula apoio

A prefeita de Sinop, Rosana Martinelli (PL), que chegou a fazer convenção partidária, mas no dia seguinte desistiu de tentar a reeleição para apoiar a candidatura do prefeito eleito Roberto Dorner (Republicanos), avalia que também saiu vitoriosa do processo eleitoral. Ela considera que participou de determinadas ações da campanha, mesmo sem deixar a administração da prefeitura, e que foi decisiva, “principalmente, para esclarecer fake news”. Para Rosana, o resultado das urnas reflete o sentimento da população de Sinop.

“Foi a vontade do povo, que é soberana. Eu vejo o resultado como positivo e a diferença foi significativa. Não tem como falar qualquer coisa diferente disso. A população mostrou na urna que a verdade prevalece e mostrou que quer renovação. Eu vejo tudo isso com bons olhos”, declarou ao Só Notícias.

Rosana também destacou o fato de a população ter acreditado em dois empresários que se comprometeram em administrar o município como gestores. Dizendo que, como ex-prefeita, estará à disposição mas que respeitará as decisões de Dorner, ela espera que o município continue no rumo do desenvolvimento.

“A prefeitura é a maior empresa de Sinop e precisa ser administrada assim. Precisa de mais gestão de menos política. Foi assim que eu administrei, como empresária, captando recursos e empresas, foram mais de 6 mil empresas na nossa gestão. Estou deixando a casa arrumada, com dinheiro em caixa, servidores e fornecedores pagos. A prefeitura está pronta para que eles possam trabalhar com tranquilidade”, acrescentou.

Passado o processo eleitoral, Rosana também se mostra aliviada e bem resolvida com a desistência da disputa. Ela chegou a realizar convenção, teve seu nome aprovado pelo partido, mas na manhã seguinte surpreendeu e anunciou a retirada para apoiar a campanha de Dorner. A decisão, explicou, foi tomada por motivos pessoais.

“Eu não desisti por falta de grupo político, por falta de pessoas ou por falta de um vice. Uma coisa que esta eleição serviu foi para mostrar que as pesquisas, técnicas e sérias, precisam ser respeitadas. E quando tomei a decisão eu estava na frente do Juarez nas pesquisas. Eu não fui para a campanha por uma decisão pessoal e familiar. Meu marido está até hoje na UTI e tenho acompanhado ele”, explicou.

A tranquilidade de Rosana e a satisfação com o resultado se reflete na gestão. Antes mesmo de Dorner começar os trabalhos, ela já nomeou a equipe de transição e espera os nomes da equipe que será montada pelo prefeito eleito, o que só deve ser entregue na próxima semana, conforme Só Notícias informou.

Rosana também trabalha para ajudar politicamente a futura gestão de Dorner. Ela é presidente do PL, partido que elegeu três vereadores que trabalharam em palanques distintos. Paulinho Abreu fez a campanha ao lado de Dorner enquanto Toninho Bernardes e Moisés do Jardim do Ouro caminharam com Juarez Costa (MDB).

Com a bancada legislativa dividida, ela disse que vai intervir em favor de Dorner. Ainda hoje fará uma reunião com os três e vai transmitir a orientação partidária. “A orientação do PL é para apoiar o Roberto até porque o partido esteve no arco da composição majoritária. Mas é claro que eles são os vereadores e têm livre escolha”, adiantou.

Se Rosana convencer os dois parlamentares, Dorner confirma maioria da bancada na Câmara com nove parlamentares, sem a necessidade de atrair, por exemplo, o vereador eleito Professor Mário, eleito pelo Podemos do médico Jorge Yanai, que também disputou o pleito.

Só Notícias/Marco Stamm (foto: Só Notícias/Diego Oliveira/arquivo)