Política

Sinop: prefeita tentará anular concessão da água e rebate críticas afirmando que ex-prefeito autorizou aumentos

A prefeita Rosana Martinelli (PL) declarou, no início da tarde, que aguarda o resultado final de um relatório com apontamentos técnicos que obrigações contratuais da concessionária de água que não teria sido cumpridas e tomar providências. “Estamos esperando para que a gente consiga, nos próximos dias, pedir a intervenção da Águas de Sinop. Mas somos responsáveis, estamos esperando a revisão contratual que vai nos dar subsídio para que a gente entre com a cassação (concessão) dessa empresa. Assim que ficar pronto esse relatório para que tenhamos provas entraremos. Para que a empresa não reverta na justiça temos que ir embasados e é isso que estou aguardando, subsídios para caçar”, afirmou.

Em um pronunciamento em sua rede social, se defendeu de críticas e voltou a afirmar que a concessão do sistema de água e esgoto no município foi feita na gestão do ex-prefeito Juarez Costa, a quem rebateu acusações recentes. “Fui vice e nunca fui chamada para discutir, participar de uma reunião e eu quero que me prove quando fui chamada enquanto vice para reunião de concessão”. Em 2014 realmente foi feito o contrato”. “Nesse contrato constava que 35% da rede de água e esgoto era a prefeitura que tinha entregar. A administração não entregou, e em 2015, foi dado reajuste para Águas de Sinop de 16,48% (na tarifa cobrada da população), para indenizar pelo que a prefeitura não tinha feito. À época, alguns vereadores entraram na justiça e embargaram esse aumento”, afirmou a prefeita. Destes 16,48%, segundo Rosana, 7,55% foram concedidos. “Tivemos que conceder por ordem judicial. Ainda faltam mais de 8% de algo que nós não assinamos, que o Juarez assinou”.

Rosana ainda afirmou que, em 3 de fevereiro de 2016 (quando Juarez era prefeito), ele concedeu aumento de 37,20% para água. “Quando assumi, eu tinha feito compromisso com a população, que eu ia estar defendendo. Fizemos no dia 4 de maio de 2017 comissão especial para apurar o contrato da Águas de Sinop” “para verificar se tínhamos condições de rever esse contrato. No final concluímos que não tínhamos como estar alterando naquele momento, só após 4 anos que seria permitido revisão”, acrescentou.  “Não achei justo estar assumindo e de cara ter que dar esse aumento que ele assinou. 14,7% eram da entrada de operação da estação de tratamento Curupy, mais 4,5% quando atingisse 20% das obras de esgoto em Sinop. Brigamos com a empresa, renegociamos, fizemos parcelamento em três vezes e falta 5,84% do que foi concedido lá atrás”, garantiu. Martinelli ainda apontou que a comissão em questão também conseguiu 50% de desconto na taxa de ligação de esgoto. “Em 2018, além disso, conseguimos mais 20% de desconto do esgoto, passando a ser cobrado 80%”, salientou.

“Não concordo com o preço abusivo das águas, só que temos leis a cumprir, contratos que foram assinados não por mim, eu sou obrigada a assumir toda responsabilidade do que prefeitos fizeram. Estou assumindo e mantendo o que está feito aqui. Vamos entrar na câmara nos próximos dias, para que a gente consiga caçar essa concessão”, completou.

No vídeo, a prefeita afirma que a AGER fez “mais de 300 notificações para a empresa”, “multou em R$ 1,4 milhão, tem mais R$ 1 milhão de danos ambientais. Nós sim estamos defendendo a população de Sinop”.

“O que eu não admito é covardia. Nunca fui para a televisão, nunca agredi ninguém, podia muito, mas se no momento certo for necessário eu tenho provas e documentos para esclarecer qualquer acusação”. “Está aqui os documentos para quem quiser ver, todos assinados. Não sou obrigada a apoiar uma pessoa que traiu minha confiança, então em respeito a população de Sinop estou prestando esse esclarecimento. Não sou mulher de levar desaforo para casa”, afirmou.

Outro lado
Só Notícias procurou a assessoria de Juarez Costa que ainda não se manifestou sobre o assunto.

Só Notícias/Luan Cordeiro (foto: reprodução)