Política

Silval vai para o semiaberto, usará tornozeleira eletrônica e terá 30 dias para arrumar trabalho

O ex-governador Silval Barbosa passou, nesta terça-feira, por audiência com o juiz Geraldo Fidelis, da 2ª Vara Criminal de Cuiabá. O magistrado fixou as condicionantes para que o ex-gestor, que estava em prisão domiciliar, fosse autorizado a cumprir pena no regime semiaberto.

Conforme a determinação judicial, Silval será monitorado por tornozeleira eletrônica e terá que ficar em casa entre as 22h e 6h. Ele terá autorização para sair com o objetivo de procurar emprego nos próximos sete dias. Caso não consiga neste prazo, terá mais 23 dias para buscar trabalho por telefone, tendo que ficar, neste período, novamente em prisão domiciliar.

De acordo com a determinação de Geraldo, se não conseguir comprovar que arrumou um emprego nos próximos 30 dias, Silval poderá ter a pena regredida para cumprimento em regime fechado. O ex-governador também está proibido de se mudar, sem autorização judicial, de Cuiabá ou Várzea Grande e terá que se apresentar mensalmente, a partir de 1 de junho, no Ganha Tempo da capital ou na fundação Nova Chance.

Ao deixar a audiência, Silval disse que estava arrependido pelos “ilícitos” que cometeu, adiantou que pretende trabalhar no grupo de comunicação da família e vai permanecer em Cuiabá. “Vou cumprir a minha pena. Não estou em situação confortável. Me arrependo por isso, profundamente. Agora, quero procurar recomeçar a minha vida. Começar do zero, pagando a minha pena e colaborando com a Justiça para passar o Estado a limpo”.

Conforme Só Notícias já informou, Silval foi solto em junho de 2017, logo após firmar acordo de delação premiada. Ele passou 2 anos recluso no Centro de Custódia da Capital (CCC) e já teve duas condenações. Uma de 14 anos e outra de 13 anos, ambas referentes a fases da Operação Sodoma.

Só Notícias/Herbert de Souza (foto: João Vieira/A Gazeta/arquivo)