Política

Proposta de zoneamento em Mato Grosso ficará engavetada até 2007

O secretário de Planejamento do Estado, Yênes Magalhães, afirmou hoje que o projeto de Zoneamento Sócio-Econômico-Ecológico (ZSEE) deve retornar para discussões pelos parlamentares na Assembléia Legislativa, somente em 2007.
O ZSEE que estava em tramitação na Assembléia Legislativa, desde o ano passado foi retirado pelo governador Blairo Maggi (PPS) a pedidos de instituições como a UFMT, a Unemat, o Ministério Público Estadual e as Organizações Não Governamentais.

A proposta deve levar pelo menos três anos para ser discutido. Embora alguns segmentos dizem que deve ser votado em regime de urgência. Isso é problemático, porque tanto o setor produtivo, como a dos ambientalistas precisam participar das discussões. A proposta interfere no desenvolvimento de todas as regiões do estado”. observou Yênes.

Na definição do secretário existe apenas uma polêmica no zoneamento, que é o mapa de vegetação. “Mas isso, a própria Fundação Estadual de Meio Ambiente tem feito sistematicamente a sua atualização. Todo o ano, a fundação faz o monitoramento do desmatamento no estado”, disse.

O secretário disse ainda que técnicos do governo estão estudando juntamente com equipes de outros estados a formatação o zoneamento em todo o país. “O governo está aberto às discussões e quanto mais a sociedade participar do processo melhor vai ser para aprimorá-la. No dia em que o zoneamento for aprovado vai estar sendo deliberado um novo modelo de desenvolvimento para o estado”, disse.

Yênes disse que a proposta foi dividida em 12 partes, onde estão concentradas as principais regiões mato-grossenses. Para o secretário, não adianta levar uma discussão especifica de Barra do Graças para Juína.

“Nesse momento o governo está buscando uma parceria com os seguimentos organizados, para juntos elaborarmos propostas viáveis para o desenvolvimento sustentável do estado”, destacou.

Para o presidente da Comissão de Meio Ambiente da Assembléia Legislativa, deputado Sérgio Ricardo (PPS), o zoneamento é uma proposta polêmica, por isso precisa ter cautela em todos os momentos das discussões. O parlamentar afirmou que Mato Grosso não pode de crescer a custa da degradação do meio ambiente.

“Não vamos permitir que em nome do desenvolvimento, haja devastação do meio ambiente. A comissão de meio ambiente está discutindo de forma permanente o zoneamento. Mato Grosso é um estado diferente de outros da federação”, disse.

É diferente, segundo o parlamentar, porque possui três ecossistemas, o Pantanal, a Floresta e o Cerrado. “Não é simplismente ler o projeto e votar pela sua aprovação. É preciso que o projeto seja claro e atenda os interesses de todos os segmentos”, destacou.

De acordo com Sérgio Ricardo, a proposta precisa passar por uma discussão ampla, com todos os setores da sociedade, inclusive com as áreas técnicas e políticas do governo e da Assembléia. “O futuro de Mato Grosso depende disso, porque estamos tratando de preservação e do desenvolvimento econômico de toda a sociedade”, observou.