domingo, 26/maio/2024
PUBLICIDADE

Presidente do TCE diz que saúde de Cuiabá é ‘caos total’ e defende união para quitar débitos com hospitais

PUBLICIDADE
Só Notícias (foto: Thiago Bergamasco)

O Tribunal de Contas de Mato Grosso instaurou, hoje, mesa técnica que busca soluções para o pagamento de dívidas da prefeitura de Cuiabá que ameaçam interromper determinados atendimentos no Hospital Municipal de Cuiabá e no Hospital São Benedito. O presidente do TCE, conselheiro Sérgio Ricardo, expôs que a prefeitura manifestou que tem dificuldade em cumprir com as exigências previstas no termo de ajustamento de conduta firmado com o tribunal, o judiciário e o Ministério Público Estadual e apontou a necessidade de união de esforços para garantir o acesso da população para os serviços de Saúde.

“Uma resolução para o problema envolve a cooperação do governo do Estado. O termo de ajustamento exige ações que a gestão não consegue adotar. Então, essa mesa técnica vai buscar caminhos porque hoje, lamentavelmente, a situação é de caos total na Saúde de Cuiabá. Todos os entes têm que entender que é preciso cuidar das pessoas. Enquanto discutimos isso, as pessoas continuam nas filas das unidades de saúde”, declarou o conselheiro-presidente, autor da proposta da mesa técnica, reforçando que os encaminhamentos terão validade até o fim da gestão municipal, em 31 de dezembro.

O presidente da mesa técnica, conselheiro Valter Albano, explicou que o primeiro passo dos trabalhos é a apresentação pela equipe técnica da prefeitura de um diagnóstico dos débitos. “É preciso conhecer qual é a dívida, qual é a dívida prioritária, qual é a forma de pagamento e resolver essa questão, seja pelos meios obrigatórios da prefeitura, que tem que entregar os recursos previstos para a saúde, ou seja por meio de outros apoios, como é o caso do governo. Isso será visto a partir da consolidação desses números.” 

Relator da mesa técnica e das contas anuais de Cuiabá, o conselheiro José Carlos Novelli destacou que esse trabalho consensual é o melhor caminho para tomar todas as decisões e evitar a paralisação nos atendimentos, que não são só de Cuiabá, mas de todo estado. “Por meio de uma comunicação dialógica, vamos achar um caminho para sociedade continuar contando com os serviços.”  

Já o promotor de Justiça Milton Mattos da Silveira Neto ressaltou que “o objetivo da mesa é buscar soluções não só de curto, mas de longo prazo, para manter a saúde financeira, principalmente de Cuiabá, que é a grande mãe da saúde pública do estado.”

Nas últimas semanas, o TCE vem recebendo médicos, prestadores de serviço das áreas de ortopedia, neurologia e anestesia, que apresentam uma situação delicada em relação a falta de pagamentos que pode agravar ainda mais a crise na saúde, com paralisação de cirurgias e atendimentos em Cuiabá. Diante disso, foi instaurada a mesa técnica, com objetivo de garantir a quitação de débitos e o atendimento à população.

Para o presidente da Comissão Permanente de Saúde, Previdência e Assistência Social, conselheiro Guilherme Antonio Maluf, defendeu a atualização da Programação Pactuada e Integrada (PPI) na busca de recursos. “A programação está desatualizada há pelo menos 11 anos. Ao longo desse tempo, o estado cresceu, assim como as demandas, as desigualdades e o déficit financeiro.” 

Também participaram da reunião o secretário de Estado de Saúde, Gilberto Figueiredo, o secretário de Saúde de Cuiabá, Deiver Teixeira, e o procurador-geral do Ministério Público de Contas, Alisson Alencar, dentre outros, informa a assessoria do TCE.

COMPARTILHE:

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Mais notícias
Relacionadas

PUBLICIDADE