Política

Prefeita de Alta Floresta reconhece erro em prestação de contas

A prefeita Maria Izaura Dias Alfonso (PDT), reconheceu pelo menos um erro na elaboração da prestação de contas às escolas, feita pela secretária de educação Irene Duarte, mas, argumentou que “o erro” partiu de um funcionário da secretaria. “Houve uma falha na hora da digitação”, disse.

A fala da prefeita, no entanto, contrasta com uma entrevista dada pela secretária Irene Duarte ontem mesmo à TV Nativa (Record), onde ela afirma que não houve erro algum na elaboração da prestação de contas. Ao Diário, a secretária Irene Duarte negou-se a dar explicações.

A reportagem que causou polêmica foi veiculada na edição 1.160, do dia 26 último, quando foi apresentado um balancete da secretaria destinada às escolas em que a secretaria declarava ter recebido do Fundef R$ 320.768,43, quando na realidade o Governo Federal repassou R$ 340.721,20 relativo ao mês de janeiro. O “esquecimento” de Irene Duarte, que não declarou onde gastou os quase 20 mil reais do Fundef não foi o único ponto duvidoso da prestação de contas. Irene Duarte, segundo seu próprio balancete, antecipou o pagamento de 113 mil reais à empresa que faz o transporte escolar do município.

Ao atender a reportagem do O Diário, a prefeita declarou que o pagamento do transporte escolar aconteceu na realidade no dia 15 de março (apesar do balancete de Irene Duarte ter sido elaborado no dia 9 de março) e assumiu que o pagamento ocorreu com os recursos dos meses de janeiro e fevereiro. “Se nós não pagássemos o transporte escolar eles não transportariam os alunos e não haveria aula”, revelou, explicando porque preferiu pagar a empresa de ônibus um dia após o vencimento, apesar dos professores ainda não terem recebido os salários de dezembro de 2004. “A aula começou dia 14 de fevereiro, 15 de março nós fizemos o primeiro pagamento, em parte até” disse Maria Izaura.

A reportagem do O Diário perguntou se na prestação de contas de Irene, do dia 9 de março, o pagamento dos 113 mil reais do Transporte escolar não seria uma “previsão” já que o pagamento ocorreu na verdade no dia 15 seguinte. A prefeita se esquivou na resposta preferindo dizer que “Nós estamos aqui com a cópia do cheque de que foi pago no dia 15 de março, se ela fez este balancete datado no dia 9 de março, com toda a certeza não havia sido pago porque a cópia do cheque está aqui datado do dia 15 de março”, definiu.