Política

PFL filia Humberto Bosaipo e Juliano Jorge e aumenta bancada na Assembléia

A tradição do Partido da Frente Liberal e a história de luta política do deputado Humberto Bosaipo transformaram o ato de filiação do parlamentar e do suplente de deputado, Juliano Jorge – na Associação Mato-grossense de Municípios (AMM) – em uma convenção pluripartidária.

O encontro teve a presença de lideranças e comitivas de representantes de diversas siglas da capital e regiões do interior.

Para o ex-presidente regional do partido e senador, Jonas Pinheiro, Bosaipo e Juliano são “filhos pródigos” que retornam à casa materna. “Bosaipo não só ajudou na criação do PFL como se introduziu na carreira política – através do partido – de forma brilhante”, recordou o senador se referindo à primeira candidatura do deputado, para deputado federal.

“O PFL não ressurge das cinzas porque nunca esteve lá, mas do seu próprio seio com o apoio dos companheiros que vieram de tão longe para prestigiar Bosaipo e mostrar o quanto ele é respeitado por todo o Estado de Mato Grosso”, disse o ex-presidente regional da agremiação.

Sua empolgação era reflexo das quase 500 pessoas que superlotavam o auditório e as galerias da AMM. Jonas ainda se dirigiu ao seu sucessor na direção do PFL, Jayme Campos, comparando a postura do ex-governador do Estado e ex-prefeito de Várzea Grande com a do partido: “Você é o próprio PFL, que não esconde a cara e que fala o que tem que ser falado, principalmente dentro da política”.

Juliano Jorge falou de felicidade pessoal com o retorno ao Partido da Frente Liberal, principalmente por estar com Bosaipo por este tê-lo “prestigiado”, quando o parlamentar se afastou por sete meses cedendo sua vaga – no período – para o representante do Nortão.

Ao falar do seu retorno ao partido, o deputado Humberto Bosaipo citou o princípio da lealdade e da coragem. “Antes de me decidir pelo PFL, eu já estava com a ficha de filiação do PP (Partido Progressista), junto com os deputados José Riva e Alencar Soares (ambos do PTB), e Eliene (PSB).

Foi quando Jayme Campos me fez um apelo muito pessoal e confidência – não como político, mas como homem e amigo. E eu lhe disse: me dá a ficha que assino agora. É assim que faz um amigo”, observou Bosaipo.

O deputado disse que retornou ao partido para somar, não para fazer “contenda, para dividir ou para correr (de disputas políticas). Vim para ser candidato a qualquer cargo, basta desejarem”.

Em seguida, se dirigiu ao secretário-chefe da Casa Civil, Joaquim Sucena – pefelista, mas por força do cargo representando o governo, na ocasião – para mandar um recado direto ao governador Blairo Maggi: “Vou seguir as orientações do meu partido, mas não abro mão de defender questões pontuais, como os servidores públicos, a Polícia Militar e os professores”.