Política

Pagot mostra os programas do Governo a maçons

O secretário-chefe da Casa Civil, Luiz Antônio Pagot, participou, ontem à noite, em Cuiabá, de uma sessão magna da Maçonaria em comemoração aos 27 anos da Loja Perfeição Estrela do Norte. Pagot representou o governador Blairo Maggi, que foi convidado para fazer uma palestra, mas que em razão de compromissos em Brasília não pôde comparecer. Durante uma hora o secretário falou sobre as ações do Governo do Estado e também sobre as potencialidades de Mato Grosso. O evento, realizado no Palácio da Concórdia, Grande Oriente do Brasil, reuniu outras autoridades, como o secretário Cloves Vettorato (Projetos Estratégicos) e o presidente da Assembléia Legislativa, deputado Silval Barbosa.

Além do presidente da Loja aniversariante, Adaildon Evaristo de Moraes Costa, também participaram o grão-mestre José Baía, dirigente da potência Grande Oriente do Brasil, grão-mestre José Ferreira Leite (desembargador, ex-presidente do Tribunal de Justiça) da potência Grande Oriente do Estado e o grão-mestre José Carlos de Musis, dirigente da Grande Loja, além de representantes de várias lojas da capital e do interior, como de Campo Novo do Parecis, Sorriso, Água Boa e Terra Nova do Norte.

De inspiração inglesa ou francesa, a maçonaria está presente no Brasil desde o século XIX e participou ativamente de movimentos sociais em defesa da liberdade. “A maçonaria tem como objetivo participar das instituições, dos governos, para ajudar na resolução dos problemas. E, principalmente, nesse momento de crise do Governo Federal”, explicou o grão-mestre José Baía. “A maçonaria confia e apóia na administração Blairo Maggi”, afirmou o presidente da Loja Perfeição Estrela do Norte, Adaildon Costa, que detém o título de Três Vezes Poderoso Mestre.

Pagot falou sobre os programas colocados em prática pelo Governo em dois anos e meio de administração. Entre eles, a construção de casas populares, investimentos na Educação (reforma e construção de escolas), saúde (descentralização da saúde, investimentos na criação de UTIs e reformas e construções de hospitais que diminuíram os encaminhamentos à Capital), Segurança Pública (com os programas de descentralização ampliando a presença da polícia no interior e ainda renovação da frota e compra de armamentos), pavimentação e manutenção de estradas. “O Governo Blairo Maggi promoveu uma grande revolução de conceitos, modernizando a máquina pública”, disse Pagot.

Quanto aos problemas ambientais, Pagot chamou a atenção para a necessidade de se clarear a legislação – com a votação do Código Ambiental -, que por força de uma medida provisória federal em vigor cria confusão quanto aos procedimentos. Isso porque pela legislação estadual os critérios em relação ao desmatamento haviam sido acordados com o Ibama na administração do presidente Fernando Henrique Cardoso.

Sobre as perspectivas, Pagot destacou que os investimentos em obras de infra-estrutura, tais como a pavimentação de rodovias importantes, como a BR-163 e BR-158, além do funcionamento de ferrovias (extensão da Ferronorte até Rondonópolis) e hidrovias, poderão abrir um novo ciclo no desenvolvimento de Mato Grosso. É o ciclo mineral, cuja exploração por grandes grupos, pode desenvolver ainda mais a economia no Estado e gerar milhares de empregos. “Ainda não temos a infra-estrutura, mas o potencial mineral em Mato Grosso é extraordinário, só comparável ao Pará”, disse o secretário, citando como exemplo reservas de bauxita e jazidas de fosfato.

Em todo o Estado existem em torno de 170 lojas maçônicas e o número de membros chega a quatro mil. Destes, cerca de 1.700 são obreiros em 42 municípios. Ao final da palestra, os dirigentes homenagearam o governador Blairo Maggi com uma placa que foi entregue a Pagot. “Pedimos para toda a maçonaria que nos ajude na condução dos desígnios do Estado e principalmente nos aconselhando sobre normas, procedimentos e programas de Governo que possamos adotar para melhorar a qualidade de vida de todos”, disse Luiz Antônio Pagot.