Política

Ministra vai a Rondonópolis para evento com repasse de alimentos para indígenas e famílias de baixa renda

A primeira-dama Michele Bolsonaro não embarcou a Rondonópolis onde participaria da cerimônia que marcará o início do projeto de distribuição de quase 323 mil cestas de alimentos e máscaras para povos indígenas, comunidades tradicionais e pessoas em situação de vulnerabilidade social para ajudar a combater o avanço do novo Coronavírus. A presença da ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves (foto), e da primeira-dama de Mato Grosso, Virgínia Mendes, está confirmada. Michele seria representante do programa Pátria Voluntária, mas houve recomendação do GSI (Gabinete de Segurança Institucional) a não comparecer.

O evento  foi amplamente divulgado pela prefeitura de Rondonópolis e por alguns políticos apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) militantes de direita se organizaram para fazer uma recepção e o GSI viu risco de segurança.

A comitiva ministerial tem o presidente da Fundação Nacional do Índio (Funai), Marcelo Xavier, do titular da secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai), Robson Santos da Silva, e do deputado José Medeiros (Podemos) fará uma passagem rápida pelo município e após a cerimônia na unidade de armazenamento da Conab, retorna a Brasília, no final da manhã.

De acordo com informações do ministério, no total, 200 mil máscaras serão doadas à região por um grupo de empresários locais, que unidos criaram o projeto Máscaras para o Próximo. A iniciativa chamou a atenção da equipe do Pátria Voluntária, programa social do Governo Federal, que decidiu apoiar a ação. As máscaras serão distribuídas pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) e pela Funai.

Os 20 mil sabonetes, que serão entregues em Rondonópolis, fazem parte das 2,5 milhões unidades doadas pela Unilever ao projeto Brasil Acolhedor, que contemplará várias cidades do Brasil. Uma instituição local viabilizará o repasse das unidades.

A distribuição de alimentos é uma ação articulada entre diferentes órgãos do Governo Federal – Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos; Funai; Companhia Nacional de Abastecimento (Conab); e Sesai.

Com o objetivo garantir a segurança alimentar de povos indígenas, além de diminuir os impactos da Covid-19, a inciativa beneficiará cerca de 154 mil famílias em mais de três mil comunidades indígenas espalhadas pelo país.

Somente no Estado do Mato Grosso, serão entregues 24 mil cestas, totalizando 528 toneladas, para 12 mil famílias indígenas de 43 etnias. Entre elas, Xavante, Kayapó, Bororo, Guarani-Kaiowá, Cinta-Larga, Terena e Manoki.

Só Notícias/Marco Stamm (foto Agência Brasil/arquivo)