Política

Janaína diz que manterá independência na Assembleia mas não descarta compor com Mauro

A deputada reeleita Janaína Riva, do MDB que está na coligação que elegeu Mauro Mendes (DEM) ao governo de Mato Grosso, disse ontem, durante a sessão da Assembleia Legislativa, que pretende manter um posicionamento independente e que não sabe se vai compor a base de sustentação do democrata. Ela recebeu 51.546 votos e se tornou a primeira mulher a conquistar a maior votação do estado numa disputa para deputado estadual.

O discurso de Janaína é coerente com a campanha eleitoral que fez. Namorada do filho do senador Wellington Fagundes (PR), derrotado nas urnas por Mendes, a deputada declarou desde o início que trabalharia na campanha do sogro, como o fez. No entanto, ela manteve um vínculo com o governador eleito sem o criticar e dizendo que o apoiaria num eventual segundo turno contra o atual governador, Pedro Taques (PSDB), de quem Janaína é a opositora mais ferrenha.

Assumindo que grande parcela da sua expressiva votação se deve à liderança da bancada de oposição a Taques, ela sabe que não pode ser subserviente ao futuro governo se quiser se manter na política. Em seu discurso, Janaina citou exemplo de “bons deputados com serviços prestados” que não se reelegeram por se manterem fieis ao governo que não correspondeu.

“Por várias vezes tentei alertar os meus colegas parlamentares sobre o perigo de fazer parte da base de um governo que excluiu grande parte da sociedade, um governo de exclusão e antidemocrático, ditador, centralizador e desrespeitoso com as pessoas”, afirmou.

Sem ser clara sobre o posicionamento, Janaina disse que pretende seguir independente e falando “verdades” para “não jogar os problemas debaixo do tapete”, mas não fechou as portas para um futuro trabalho em favor da administração de Mauro Mendes.

“Quero renovar o meu compromisso com o estado de Mato Grosso, de continuar lutando de forma independente para que Mato Grosso cresça e seja, realmente, um estado rico, mas que seja rico para todos. Mesmo que eu venha a compor base do governo, eu jamais vou deixar de lado a vontade do povo, porque a forma mais importante de contribuir com qualquer governo é falar a verdade quando a verdade precisa ser dita, é não jogar os problemas para debaixo do tapete, porque uma hora eles vêm à tona e foi isso que aconteceu com o nosso Estado”, concluiu.

Só Notícias/Marco Stamm (foto: assessoria/arquivo)