Política

Governador não descarta prorrogar decreto de calamidade financeira em Mato Grosso

Apesar de estar conseguindo, gradativamente, reduzir o déficit financeiro de Mato Grosso, o governador Mauro Mendes (DEM) não descarta a possibilidade de prorrogar o decreto de calamidade financeira no Estado que tem validade até 16 de julho. A medida vigora desde 17 de janeiro e permite ao governo executar ações austeras para amenizar a crise financeira e fiscal.
“Nossa situação melhorou um pouco porque estamos economizando muito, cortando despesas e seguramos vários itens que são necessários para compor a cesta de melhorias. Mas nossa condição ainda não é boa e não sei se ela dará uma condição para reeditar um decreto de calamidade. Vamos analisar e, nos próximos dias, teremos um balanço e vamos saber se prorrogamos o decreto”, explicou Mauro Mendes.

O decreto tem validade apenas em Mato Grosso, uma vez que em março, a equipe econômica do presidente Jair Bolsonaro (PSL) não reconheceu o estado de calamidade financeira no Estado, dificultando a liberação de crédito, como o caso do empréstimo de U$ 250 milhões junto ao Banco Mundial, e impossibilitando o descumprimento da Lei de Responsabilidade Fiscal.
Conforme Só Notícias já informou, o Estado fechou o mês de maio com déficit de R$ 67,4 milhões. Apesar do “rombo”, o saldo negativo foi inferior ao registrado no início do ano, que foi de R$ 118 milhões. No mês anterior, abril, estava em R$ 72,8 milhões.

Em maio, o Estado arrecadou R$ 1.48 bilhão que foi somado a outros R$ 66.427.853, que constavam no saldo da Conta Única em 1º de maio. O pagamento dos salários dos servidores ativos representou R$ 337, 4milhões e dos inativos no valor de R$ 199,1 milhões.

Só Notícias/Marco Stamm, de Cuiabá (foto: arquivo/Mayke Toscano)