Política

Escolas estaduais de Alta Floresta não receberam recursos para merenda escolar

O fim da gestão única na educação está significando prejuízos aos alunos de escolas públicas da rede estadual de Alta Floresta. Até o ano passado as licitações que asseguravam repasse de materiais para a merenda escolar eram feitas para as escolas das redes municipal e estadual. A partir desse ano a aquisição passa a ser feita de forma separada, o que é de competência do município pela secretaria local e o que de responsabilidade do estado, pela assessoria pedagógica.

“Eles falaram que iam fazer o repasse ainda em março, mas até agora nada”, reclamou no final da tarde de ontem a diretora da escola 19 de maio, Rita.

A partir de hoje essa unidade escolar vai suspender o fornecimento da merenda. Os pais de alunos foram orientados, através de bilhetes encaminhados pelos filhos, a providenciarem o lanche para que os filhos suportem o período que ficarão na escola até no retorno às suas casas. Até então a escola se virou como pode, adquirindo produtos para a produção da merenda escolar no comércio local. Como a dívida só vem aumentando, a direção da escola optou por suspender o fornecimento da comida aos alunos.

A 19 de Maio atende cerca de 600 alunos diariamente. O débito junto ao comércio local deve girar em torno de mil reais nesses quase dois meses de aula.

Outras unidades escolares também estão enfrentando os mesmos problemas pelo atraso no repasse dos recursos para aquisição da merenda. A escola Ludovico da Riva seria uma delas que, a exemplo da 19 de Maio, adquiriu a merenda em mercados do município, mas não sabe quando vai poder quitar a dívida.

A assessoria pedagógica foi procurada pela reportagem de O Diário, mas os assessores não foram localizados no final da tarde de ontem.