Política

Deputados aprovam lei das diretrizes e derrubam emenda do RGA para servidores pela média da inflação

Os deputados estaduais aprovaram, hoje, o projeto da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) do ano que vem, elaborado pelo governo, e que já havia sido aprovado em primeira votação na semana passada. Também houve aprovação da redação final em sessão extraordinária. Alguns deputados tentaram incluir, ainda na segunda votação, uma emenda que garantiria o pagamento da Revisão Geral Anual (RGA), índice que atualiza os salários do funcionalismo pela média da inflação, mas apesar de a emenda ter a assinatura de 20 deputados, foi derrubada em plenário, pela maioria. A emenda teve apenas sete votos favoráveis, dos deputados Elizeu Nascimento (DC), Delegado Claudiney (PSL), João Batista (PROS), Wilson Santos (PSDB), Valdir Barranco (PT) e Lúdio Cabral (PT).

Segundo o presidente Eduardo Botelho, o “RGA está permitido e a LDO tem as diretrizes para a revisão. Agora, o que vai definir o valor a ser pago será a condição financeira que será apresentada no ano que vem. Eu acredito que vai ter sim alguma margem para pagar alguma coisa de RGA”, disse.

O governo do Estado vem encontrando dificuldades, desde o início do ano para conceder o RGA, e está parcelando os salários dos servidores. Mês passado, o governo conseguiu diminuir o déficit consideravelmente depois de diversas medidas de contenção de gastos e fechou com R$ 69 milhões no vermelho. Em abril, o governo do Estado estabeleceu que o reajuste geral anual deve ser de 3,43%.

“Tivemos duas emendas polêmicas. Uma apresentada pelo deputado João Batista, com a assinatura de 20 deputados, que foi rejeitada nas comissões e nós negociamos para fazer uma emenda alternativa, deixando sem valores, mas garantindo a rubrica que garante alguma progressão para os agentes penitenciários”, disse o presidente. “Nós rejeitamos de última hora, também, uma emenda que foi aprovada na LOA, que previa que o governo poderia remanejar 20% do orçamento sem fazer consulta à Assembleia Legislativa, apenas com decreto governamental. A Assembleia entendeu que esse valor é muito alto e reprovou a emenda”, explicou Botelho.

Pelo projeto aprovado, a receita de Mato Grosso tem estimativa de alta de R$ 1,173 bilhão para 2020. A equipe econômica do governo estima um total de receitas de R$ 20,328 bilhões, considerando o impacto da renúncia fiscal aprovada pelo Parlamento. A previsão anterior era de R$ 19,155 bilhões.

Outra votação em destaque foi a emenda que autoriza o Executivo a remanejar 20% do orçamento de 2020, o que equivale a cerca de R$ 4 bilhões. A alteração também foi duramente criticada. Conforme o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Eduardo Botelho (DEM), a LDO de 2020 teve apenas duas emendas consideradas mais polêmicas.

Só Notícias (foto: Ronaldo Mazza/arquivo)