Política

Deputada do PT diz que Blairo Maggi rompeu com o partido

“Não estamos rompendo com o governo, ele é que já está rompido com a gente”, declarou a deputada Vera Araújo (PT) hoje (9) ao ser questionada se o seu partido deveria ou não sair da base aliada do governador Blairo Maggi (PPS). Em um raciocínio lógico e simples a parlamentar argumentou que o PPS rompeu com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e ao mesmo tempo, o governador de Mato Grosso decidiu permanecer no PPS. “Ele (Maggi) é quem tem que dar explicações. Como vamos apoiar alguém que está rompido com o governo Lula?”, questionou Verinha.
     
A deputada destacou também ainda não saber o atendimento aos pleitos, por parte do governo estadual, para a base aliada, uma vez que o Orçamento Geral do Estado de 2005 ainda não foi aberto. Só depois da abertura é que esse relacionamento poderá ser avaliado, conforme Verinha. Mesmo assim, ela lembrou que a falta de infra-estrutura está em todas as cidades do Estado, inclusive naquelas administradas por prefeitos do PPS, partido de Maggi. “Vamos ver como ele vai atender as demandas em todas as áreas”, pontuou.
     
Verinha, que esteve visitando a região do Araguaia entre quinta e segunda-feira passadas, revelou que a situação é crítica, necessitando de providências urgentes não só do governo estadual, mas também do federal. Com relação ao governo de Maggi, a deputada petista contou que as estradas recém feitas já apresentam defeitos.
     
Além disso, ela denunciou obras de má qualidade em escolas, também reformadas e construídas recentemente, que estão com problemas de rachaduras e infiltrações. A parlamentar visitou ainda casas construídas com recursos do Fundo Estadual de Transporte e Habitação (Fethab) que nem foram rebocadas, apesar de estarem ocupadas. “Ou é material de má qualidade ou é falta de fiscalização”, frisou.
     
Ao todo, Vera Araújo visitou 12 municípios da região do Araguaia e informou na tribuna da Assembléia, na sessão de hoje de manhã, que apresentará um relatório da viagem. Para ela, o centro do debate agora não deve ser o calendário eleitoral, mas sim a resolução dos problemas dos municípios. Entre eles, a deputada destaca como de grande importância o Índice de Participação dos Municípios (IPM) no ICMS. De acordo com Verinha, o governador não pode simplesmente remeter a discussão para a Assembléia ou outra instituição, “ele precisa se posicionar”.