Política

Decisão do TCU garante expansão da Ferrovia da Integração para Mato Grosso

O Tribunal de Contas da União (TCU) aprovou, hoje, a renovação antecipada da concessão da Ferrovia Vitória-Minas, da Companhia Vale. A decisão interessa diretamente a Mato Grosso, uma vez que parte do valor da outorga será utilizado para investimento na implantação da Ferrovia de Integração do Centro-Oeste (Fico), ligando a cidade de Água Boa, no Vale do Araguaia, até a cidade de Mara Rosa, em Goiás, cujo trilhos se conectarão com a Ferrovia Norte-Sul. As obras da Fico devem ter início no ano que vem, segundo o Ministério da Infraestrutura.

A ligação ferroviária terá uma extensão de 348 quilômetros e será uma opção logística para o escoamento da produção de grãos da região Centro-Oeste, em direção aos portos brasileiros de grande capacidade: Itaqui, no Maranhão, ou ao Porto de Santos, através da conexão com a Ferrovia Malha Paulista. Na segunda etapa de obras, a previsão é que sejam feitos 518 km de Água Boa até Lucas do Rio Verde, com construção de um terminal de cargas e os trilhos passando por mais 15 cidades da região e 740 quilômetros até Porto Velho, em Rondônia.

Na sessão que aprovou a renovação da concessão da Vale e também os investimentos em trilhos entre Mato Grosso e Goiás, o ministro Bruno Dantas, presidente do TCU, relatou encontro que manteve, pela manhã, com a bancada federal do Estado e o governador Mauro Mendes. Na ocasião, segundo o ministro, ficou evidenciada a importância da implantação da FICO para a logística de grãos do Centro-Oeste.

Conforme Só Notícias já informou, o governador Mauro Mendes afirmou que a FICO ajudará Mato Grosso a escoar mais de 100 milhões de toneladas nos próximos anos. “Esse investimento na renovação antecipada das outorgas é extremamente relevante e altamente estratégico para o Brasil e vai trazer grandes retornos para o país. Temos commodities minerais na região e de alimentos naquela área. Então investir nesse setor vai trazer grandes benefícios para a economia de Mato Grosso e também para a economia do país, que passa hoje por dificuldades”, citou.

Em maio, após decisão do TCU, a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) já havia assinado contrato para renovação antecipada da Malha Paulista, operada pela Rumo Logística, que assegura o avanço da Ferronorte em Mato Grosso, partindo de Rondonópolis, no Sul do Estado, onde está instalado o maior terminal ferroviário de cargas da América Latina, até Cuiabá, capital do Estado, e depois seguindo até a cidade de Sorriso.

Além da extensão da Ferronorte em Mato Grosso e da implantação da Fico, Mato Grosso aguarda para outra decisão do TCU, que trata da Ferrogrão, que ligará Sinop, também no Norte do Estado, a Miritituba (PA). O plano, acompanhado dos estudos técnicos e das minutas de edital e de contrato, já foi assinado pelo ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas. Com 933 quilômetros de extensão, são esperados investimentos de R$ 8,4 bilhões no projeto de concessão.

Só Notícias (foto: Lenine Martins/assessoria)