Política

Assessor em MT diz que Bolsonaro avalia mudar imagens das cédulas e patrono da Educação brasileira

O ex-deputado federal Victório Galli (PSL) disse, esta semana, que fez duas indicações que estão sendo analisadas pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL). Atualmente, o ex-parlamentar, que não conseguiu se reeleger em 2018, ocupa o cargo de assessor especial da Presidência, vinculado à pasta da Casa Civil.

Em entrevista a uma emissora da capital, Galli comentou, apontando a proximidade com Bolsonaro, que o presidente pretende mudar as imagens das cédulas do Real. “Não sei se vai sair agora no primeiro semestre, ou no segundo, que é questão das nossas moedas”, resumiu. Segundo ele, a intenção é “tirar o símbolo dos animais e colocar figuras heroicas da nação brasileira nas nossas cédulas”.

Outra sugestão dada por Galli ao presidente é mudar o patrono da educação brasileira. “Tirar o Paulo Freire e colocar um professor de direita. Que seja um orientador. Um símbolo da educação no Brasil. Eu citei três exemplos (para Bolsonaro)”, afirmou o assessor, sem especificar quais nomes poderiam substituir Freire como patrono da Educação no Brasil.

Conforme Só Notícias já informou, o ex-deputado federal recebe salário de R$ 16,9 mil para trabalhar na Secretaria Especial para a Câmara dos Deputados da Casa Civil. A nomeação foi assinada pelo ministro-chefe da Casa Civil, Onix Lorenzoni e publicada em fevereiro, no Diário Oficial da União.

Galli, que foi um dos maiores entusiastas e apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (PSL) em Mato Grosso, já esperava pela nomeação desde a posse do novo governo, mas evitava falar abertamente sobre o assunto. Mesmo estando em Brasília, o político trabalha internamente no PSL e costura uma candidatura em 2020 para a prefeitura de Cuiabá e disse contar com o apoio da direção nacional do PSL, o que inclui o presidente Bolsonaro.

Em nível estadual, o deputado federal e presidente do PSL em Mato Grosso, Nelson Barbudo, confirmou que a sigla apoia o ex-deputado apesar da confusão em que ambos se envolveram durante a campanha eleitoral ao divergirem do apoio à candidatura do ex-governador Pedro Taques (PSDB).

Só Notícias/Herbert de Souza (foto: Wendell Lopes/arquivo)