Política

Antero defende CPI dos Correios e acusa conivência do Governo com corrupção

O senador Antero Paes de Barros (PSDB-MT) acusou o governo Lula de estar convivendo pacificamente com a corrupção e defendeu a instalação de uma CPI para apurar as denúncias sobre desvios de verbas e licitações viciadas na ECT e em outros órgãos da administração pública.

“A CPI é a única saída, já que o governo Lula não apura as denúncias de corrupção”, disse o senador mato-grossense, citando os casos de Waldomiro Diniz, da ONG Ágora, do presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, entre outros, nos quais o governo se omitiu e não adotou as medidas necessárias para identificar e punir os acusados.

Antero afirmou que nada se apurou sobre o caso da ONG Agora, denunciada pela imprensa no ano passado por ter assinado um convênio com o governo e receber no mesmo dia a quantia de R$ 7,5 milhões do Programa Primeiro Emprego,que deveria ser liberada em três parcelas. “A Ágora foi mais rápida que o Aerolula. Sabe quem é o proprietário da Agora? O empresário Mauro Dutra, que também é o dono da empresa Novadata, que agora aparece na fita do diretor dos correios como beneficiário de uma concorrência na ECT e que é amigo do presidente Lula”, afirmou o senador.

“A fita dos correios não é mais grave do que a fita do Valdomiro Diniz, divulgada há mais de um ano. E o que aconteceu com o Valdomiro? Nada. O governo disse que não era preciso CPI porque a Polícia Federal iria investigar tudo rapidamente. Não aconteceu nada, rigorosamente nada. Valdomiro Diniz continua por aí. E quem sustenta o Valdomiro? De que vive o Valdomiro?”, indagou Antero.

Lembrou, então, que Waldomiro só deu uma declaração pública sobre seus encontros com o bicheiro Carlinhos Cachoeira. Foi quando admitiu ter recebido a quantia de R$ 100 mil de Cachoeira e entregue esse dinheiro a Geraldo Magela, que foi candidato do PT ao governo do DF em 2002.

“Qual a providência que o governo tomou em relação a Geraldo Magela?” – indagou Antero. E ele mesmo respondeu: “Nada foi investigado. O Lula nomeou Geraldo Magela Presidente do Banco Popular, onde já há denúncia de corrupção há muito tempo”.

Esses casos demonstram, segundo o senador, que existe um mar de lama no governo Lula e que o PT está agindo como coveiro da ética.

Antero lembrou que alertou o Presidente da República de que o senhor Henrique Meirelles não poderia ser indicado presidente do Banco Central, por ser aposentado como presidente do Bank Boston. Disse que chamou a atenção para o problema durante a sabatina de Meirelles na Comissão de Economia do Senado, em dezembro de 2002, mas não foi ouvido.

Na CPI do Banestado, foram identificadas movimentações ilegais de dinheiro de Meirelles e suspeitas de sonegação de impostos. O Procurador Geral da República apresentou denúncia crime contra o presidente do Banco Central no Supremo Tribunal Federal, a denúncia foi aceita pelo Tribunal e mesmo assim o Lula mantém Meirelles no cargo..

“Depois de tudo isso, o Lula diz que não vai julgar ninguém e não o afasta da presidência do Banco Central. Só o funcionário da ECT, Maurício Marinho, foi afastado. Nem o Valdomiro Diniz foi afastado”, prosseguiu o senador.

Para o senador mato-grossense, há um nítido conflito entre a postura do governo, de não apurar as denúncias de corrupção, e o que quer a Oposição. “Nós, da oposição, estamos indignados e queremos investigar, para punir os corruptos. Mas o governo não quer. A única opção é instaurar a CPI”, concluiu Antero Paes de Barros.