Polícia

Polícia prende líder de quadrilha especialista em roubo de caixa eletrônico

Investigadores da Delegacia Municipal de Várzea Grande prenderam na noite de ontem, o líder de uma quadrilha especialista em roubo a caixas eletrônicos na Grande Cuiabá. Rafael Nascimento Brandão, o “Nhonho”, de 24 anos, foi o primeiro, mas a Polícia acredita que pode chegar aos outros nove ou dez bandidos que ainda estão foragidos.

Rafael foi preso numa casa no Jardim Manaíra, na periferia de Várzea Grande (Grande Cuiabá), onde os investigadores também apreenderam um veículo Fiat, tipo picapê tomado de assalto dias atrás em Cuiabá.

Na mesma casa a Polícia ainda apreendeu dezenas de ferramentas, maçaricos para perfurar cofres e quatro fardas completas, inclusive bonés, iguais aos usados por funcionários da empresa de segurança Forte Sul, usadas pelos bandidos para entrar nos locais assaltados.

O investigador Edson Leite, chefe de operações da Delegacia Municipal, confirmou agora a pouco, que apesar da prisão de Rafael, as investigações e as buscas continuam para tentar prender os outros membros da quadrilha.

Um dos roubos já confirmado aconteceu na madrugada de 28 do mês passado. Nove bandidos armados e usando uniformes de uma empresa de segurança, renderam e deixaram dois seguranças amarrados.

Os ladrões arrancaram o cofre da agência do Banco do Brasil da sede da Delegacia Regional do Trabalho (DRT), localizada na Rua São Joaquim, no bairro do Porto, em Cuiabá.

O cofre foi arrombado com maçarico, justamente na casa onde Rafael foi preso. Logo sem seguida, os bandidos abandonaram o carro, uma Kombi branca às margens da Rodovia Mário Andreazza, em Várzea Grande.

A mesma quadrilha, segundo Leite, está envolvida em pelo menos mais seis assaltos, em todos os caixas eletrônicos foram arrancados e levados pelos bandidos para serem arrombados em outros locais.

O investigador Leite também suspeita, que a mesma quadrilha liderada por Rafael está envolvida no roubo dias atrás à agência da Caixa Econômica Federal (CEF), localizada na Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), de de onde foram roubados mais de R$ 190 mil.

No assalto a Caixa também foram baleadas três pessoas. Uma cliente que levou um tiro de raspão. Um segurança bancário que continua hospitalizado, e um assaltante, que morreu dias depois.