Polícia

PM inaugura Centro de Treinamento de Tiro Tático em Sinop

O comandante regional Norte da Polícia Militar de Mato Grosso, coronel Jorge Roberto Ferreira da Cruz inaugurou na manhã desta segunda-feira, nas dependências do Clube de Tiro de Sinop, o primeiro Centro de Treinamento de Tiro Tático do Estado. Da solenidade participaram o prefeito de Sinop, Nilson Leitão, vereadores e outras autoridades. Na ocasião, o comandante abriu um curso de capacitação sobre técnicas e conhecimento teórico para 21 policiais militares que integram o Comando de Operações Táticas de Alto Risco (Cotar).

Criado no dia 13 de setembro, o Cotar é subordinado ao Comando Regional 3 da PM na região Norte e tem como comandante o major PM Antonio Mário da Silva Ibanez Filho. De acordo com o coronel PM Jorge Ferreira, o comando especializado será empregado em situações que envolvam alto risco, como no controle de rebeliões em presídios, repressão a assaltos e resgate de reféns em cativeiro. “É um comando especializado com técnicas de abordagens e de enfrentamento de ocorrências graves e que necessitem de uma atuação mais enérgica”, informou.

Os policiais do Cotar, entre eles a soldado PM Giliane Cristina também serão empregados no policiamento ostensivo da PM na região Norte, que envolve 36 municípios, numa área de abrangência de 230 mil km² e que conta com uma população total de aproximadamente 532 mil habitantes. “É uma região com cidades que estão até a 1.200 km da Capital, por isso a necessidade de uma tropa especializada na região”, ressaltou Giliane.

O comandante ressaltou que criação do Cotar se deve ao empenho do Governo do Estado, do comando geral da PM e de parlamentares, entre eles do deputado estadual Mauro Savi. “Neste mês de novembro estaremos realizando o curso de capacitação e durante este período tomaremos as providências administrativas para dar a estrutura ao comando”, disse.

Ele destacou que o governador Blairo Maggi, assim que recebeu em mãos o projeto do Cotar não mediu esforços para colocá-lo em funcionamento. “Agradeço ao governador que já autorizou a destinação de duas camionetes Frontier, quatro motocicletas e todo o fardamento do comando, além de equipamentos necessários para as operações”, afirmou.

O major Ibanez frisou que o Cotar está inserido na orientação do Estado, realizando um trabalho integrado com o Corpo de Bombeiros e futuramente com a Polícia Judiciária Civil.

O Centro de Treinamento de Tiro Tático foi estruturado e equipado para o treinamento prático dos policiais. “É o primeiro centro de treinamento com esta finalidade no Estado e irá facilitar a capacitação dos policiais, uma vez que traremos os instrutores para ministrar o curso aqui, ao invés de termos que enviá-los para fazer a capacitação fora”, explicou o comandante do Cotar, major PM Ibanez Filho.

Durante a demonstração simulada de três situações de conflitos apresentada para cerca de 50 pessoas no Centro de Treinamento, os policiais venceram obstáculos, abordaram veículo com criminosos e invadiram cativeiro de seqüestrados. “Reproduzimos aqui situações bem próximas da realidade, que envolvem o aumento da adrenalina, stress, com alvos pré-estabelecidos, fixos e móveis”, disse o comandante do Cotar.

Além das aulas práticas, o curso terá um módulo de aulas teóricas sobre gerenciamento de situações de crise, ética policial e a abordagem de outros assuntos. “A seleção dos policiais foi bastante criteriosa. Tivemos uma psicóloga participando do teste seletivo e que também fará o acompanhamento durante o curso”, informou.

De acordo com o comandante do Cotar, o grupo foi criado dentro da proposta de Governo de descentralizar os comandos especiais e de integração dos órgãos da Segurança Pública. “Já temos no nosso quadro três soldados do Corpo de Bombeiro Militar”, informou.

Ele explicou que de acordo com modelos internacionais as equipes de operações táticas são integradas também por paramédicos, como no Brasil ainda tem poucos profissionais que atuam nesta função, a idéia é que os soldados do Corpo de Bombeiros desempenhem função semelhante. “Em caso de necessidade, para prestar os primeiros-socorros a pessoas feridas”, exemplificou.