Polícia

PM busca fortalecer atuação de policiais no combate à violência contra a mulher em MT

Para fortalecer o engajamento dos policiais militares em combater a violência contra a mulher no Estado, o Comando Geral da corporação, em parceria com o Conselho Estadual de Direitos da Mulher, realizou o ciclo de palestras “O papel do homem no combate à violência contra a mulher”, em Cuiabá.

De julho a novembro deste ano, a Polícia Militar atendeu 531 mulheres vitimas de violência doméstica; seja por crimes de lesão corporal, ameaça ou tentativa de homicídio. Os atendimentos representam 30% dos registros gerais das ocorrências registradas pela PM.

O encontro reuniu mais de 100 militares e foi realizado no Dia Nacional de Mobilização dos Homens pelo Fim da Violência contra a Mulher, por meio da Campanha Laço Branco. As palestras  tiveram como objetivo sensibilizar, envolver e mobilizar os policiais a prestar um atendimento às vítimas ainda mais especializado e diferenciado.

Abrindo o evento, o comandante das unidades especializadas, coronel Carlos Eduardo Pinheiro, ressaltou a importância das palestras voltadas para a tropa.

“A Polícia Militar recebe milhares de ocorrências de violência contra a mulher. Precisamos de campanhas como essa para dar fim a essas situações, as mulheres são sagradas, precisamos preservar essas mães, filhas, esposas, amigas e companheiras”, destaca o coronel Pinheiro.

A palestrante e coordenadora do Conselho Estadual dos Direitos das Mulheres, Glaucia Amaral, conta que a ideia é unir forças para dar fim a esse tipo de violência, que destrói famílias todos os dias.

“Tratamos da questão da violência do ponto de vista do homem, mostrando para eles que a maioria de fato não são favoráveis a esse problema social. Homens e mulheres precisam trabalhar juntos. Nós precisamos erradicar esses percentuais de casos de violência contra a mulher”, explica Glaucia.

O tenente do Batalhão Rotam, Thiago Satiro, conta que as informações adquiridas com os especialistas no assunto auxiliam à tropa a atuar com ainda mais rigor nas ocorrências.

“Atuamos em força auxiliar, dando apoio às viaturas de área neste tipo de ocorrência de violencia doméstica. Percebemos uma grande colaboração da sociedade em não tolerar esse tipo crime e estamos preparados para conduzir o suspeito que agredir uma mulher”, afirma o tenente.

Redação Só Notícias