Polícia

Mato Grosso é pioneiro em treinamento de Polícia Comunitária

O Pólo Regional de Difusão de Doutrina de Polícia Comunitária – Companhia Escola de Polícia Comunitária – irá funcionar dentro da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), e promete ser um centro pioneiro de treinamento.

O projeto prevê, dentro da Escola de Polícia Comunitária, a capacitação de policiais civis, militares, bombeiros militares e representantes dos conselhos estaduais de segurança pública (Consegs) e lideranças comunitárias de cinco estados brasileiros – MT, MS, RO, GO e DF, congregando esses estados dentro da mesma doutrina de Polícia Comunitária, em um mesmo centro de capacitação. A partir da reunião desta terça-feira (02.08) também ficou definida a participação de representantes das guardas municipais.

“A Escola irá criar um padrão de polícia comunitária, além de propiciar a troca de experiências de ações que tiveram êxito. O policiamento comunitário ganha uma importante ferramenta”, destaca o secretario de Estado de Justiça e Segurança Pública, Célio Wilson de Oliveira.

O reitor da UFMT, Paulo Speller, pró-reitores e diretores de Institutos e Faculdades conheceram nesta terça-feira, na Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp), todo o projeto, assim como a estrutura de polícia comunitária que será instalada dentro do campus da UFMT.

O mesmo espaço destinado à Escola irá abrigar uma companhia de Polícia Comunitária que atenderá a Universidade e os bairros circunvizinhos. Ao todo trinta policiais militares trabalharão na nova companhia que terá ainda três viaturas (carros), além de motos e bicicletas para o trabalho de patrulhamento. Os alunos da escola também farão estágios dentro da própria companhia de polícia que será implantada.

“A idéia da companhia escola é muito feliz. Ao mesmo tempo em que traz a resposta aos problemas da universidade e bairros circunvizinhos, faz a Universidade desempenhar o seu papel que é eminentemente educativo”, destacou o reitor da UFMT.

O projeto piloto, pioneiro no Brasil, foi desenvolvido pela Sejusp e será viabilizado através de uma parceria com a Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp) e a UFMT.

A idéia surgiu durante visita do secretário nacional de Segurança Pública, Luiz Fernando Correa, em abril deste ano, à Sejusp, depois de discussões em torno das políticas que Mato Grosso vem adotando na área de policiamento comunitário, considerada referência em todo o Brasil.

De acordo com o major Viegas, representante da Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp) que acompanhou a reunião de apresentação do projeto, os recursos para a aquisição de viaturas serão disponibilizados através do Fundo Nacional de Segurança Pública.

Os recursos para implantação do projeto são oriundos da Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp), no valor de R$ 811.791,58, com contrapartida do Estado de R$ 81.179,15, em recursos próprios.

Viegas também antecipou que a Escola de Polícia Comunitária também poderá ser parceira do Governo Federal no desenvolvimento de outros projetos de capacitação, como os que serão desenvolvidos na área de inteligência em segurança pública.

”Este projeto proposto por Mato Grosso é ousado, mas este é o caminho certo a ser seguido. Na área de segurança pública é preciso buscar parceiros não só com a comunidade, mas com o meio acadêmico e as iniciativas pública e privada”, destacou o representante da Senasp.

O projeto de implantação do Pólo será assinado ainda este mês, durante a realização do Fórum Internacional de Polícia Comunitária, que será realizado em Cuiabá (no Centro de Eventos do Pantanal) entre os dias 17 a 19.