Polícia

Índios mantém turistas reféns em pousada no Nortão

Índios da Aldeia Muruvi em Apiacás -extremo Norte de Mato Grosso- continuam mantendo reféns em uma pousada cerca de 10 pessoas. Dois deles seriam turistas do Rio Grande do Sul. Um grupo de índios acabou invadindo a aldeia e dominando as pessoas. O proprietário Ari Carneiro levou uma flexada na perna e está hospitalizado em Alta Floresta. Os demais não teriam sido feridos e estão sob poder dos índios que alegam serem os donos da área. O acesso à pousada é só de avião. A aeronave que estava no local acabou sendo danificada pelos índios. O proprietário Ari carneiro foi socorrido em um avião da Funai que tem mediado o conflito. Quando a aeronave pousou para trazer comida para os índios, houve o ataque na pousada.

O delegado da Polícia Civil de Alta Floresta, Gean Marco Pacola, ouviu o depoimento do empresário. “Além de danificaram o avião eles acorrentaram os barcos e não deixam ninguém sair. A vítima diz que há garimpeiros que querem explorar a área e estariam agindo por trás da ação dos índios”, afirmou.

A Polícia Federal não enviará, inicialmente, agentes a Apiacás para resolver o conflito.
O delegado federal Dênis Cali disse ao Só Notícias que a questão está sendo tratada pela Polícia Civil de Alta Floresta, que ouviu o proprietário da pousada, Ari Carneiro. “Fomos contactados pela Polícia Civil de Alta Floresta e já entramos em contato com a Funai de Colíder que está se deslocando ao local. Tem um promotor de Justiça de Alta Floresta que também está tratando do caso. Indiretamente, nós estamos apoiando a operação”, salientou.

A Polícia Civil diz que repassou o caso para a Polícia Federal.
“Repassamos o caso para a PF que tem atribuição para resolver este conflito”, disse o delegado Gean Marco.

A Funai – Fundação Nacional do Índio- de Colíder está buscando solucionar o impasse. A identidade dos turistas mantidos reféns não foi revelada.