Polícia

Executado a tiros no Paraguai com universitária de MT teria entregado 14 membros de facção

Osmar Vicente Álvarez Grance, 32 anos, foi apontado por policiais do Paraguai como o dono de uma lavanderia onde 14 integrantes do PCC (Primeiro Comando da Capital) foram presos este ano, segundo dados divulgados, há pouco, pelo Uol. Ele foi morto junto com a universitária de medicina e moradora de Curvelândia (278 quilômetros de Cuiabá), Rhannye Jamilly Borges de Oliveira, de 18 anos (foto), além das jovens Kaline Reinoso de Oliveira, de 22 anos, e Haylee Carolina Acevedo Yunis, de 21 anos, em Pedro Ruan Caballero (PY), no último sábado.

Ainda conforme o portal, um dos faccionados, de 35 anos, que seria chefe do PCC na região de fronteira dos dois países e foi preso no dia 23 de março, em uma operação conjunta entre a Polícia Federal e agentes da secretaria Nacional Antidrogas do Paraguai.

Segundo policiais paraguaios, o alvo do ataque era Osmar, sobre quem recaíam as suspeitas de ser informante da secretaria Nacional Antidrogas do Paraguai.e de ter delatado a reunião do chefe da facção com outros brasileiros e paraguaios integrantes do PCC no galpão da lavanderia.

No dia da prisão, foram apreendidos armas, munição, dinheiro e diversos telefones celulares. De acordo com as forças de segurança do Brasil e do Paraguai, 15 pessoas foram mortas nas duas últimas semanas na fronteira, considerada rota do tráfico de drogas e armas.

A disputa pelo controle do território entre o PCC e o CV (Comando Vermelho) do Rio de Janeiro acirrou a violência na região. O conflito entre as duas facções criminosas brasileiras se intensificou após a morte do narcotraficante Jorge Rafaat Toumani, de 56 anos, conhecido como o “rei da fronteira”. Ele foi assassinado a tiros durante emboscada, em junho de 2016, em Pedro Juan Caballero.

Conforme Só Notícias já informou, Rhannye Jamilly foi sepultada, ontem, em Curvelândia.

Redação Só Notícias (foto: arquivo pessoal)